sexta-feira, fevereiro 23, 2018

Vocês não são como eu: parte: 15


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  - Estou lhe falando nem pense em atrapalhar o meu encontro.
  Falei isso por Jorge, então sai de lá colocando o fone de ouvido, quando cheguei em casa, peguei a minha luva de boxe, fui ficar batendo, não sabia que eles me odiavam esse tanto, de querer atrapalhar a minha vida pessoal.
  Será que eu devia falar para eles sobre a minha condição, assim eles me deixariam em paz, pensando bem não, eles estão agindo feito babacas, não deviam fazer isso independente da pessoa.
Então me dou conta de uma coisa, então ligo para a Diana, ela atende ao telefone.
  - Oi, Daniel tudo bem? - Disse a Diana.
  - Tudo... Tem uma coisa que eu gostaria de dizer.
  - O quê?
  - A gente pode ir por shopping uma hora antes?
  - Acho que sim, por quê?
  - É que eu gosto de ir para cinema, já com estomago cheio.
  - Entendo você não gosta de comer no cinema.
  - Basicamente... Quando estou comendo quase não consigo me concentrar no filme.
  Se bem que para mim o filme não importa, tudo que vai me interessar nesse encontro é ela, tenho certeza se o filme for uma merda, nem vou ter notado, já que tudo o que vou ver é a beleza dela.
  Na verdade não me importo em comer no cinema, sô quero pelo menos um momento a sô com ela, antes da turma que quer atrapalhar o meu encontro chegue, um momento é tudo que peço.
  - Tudo bem vamos uma hora antes? - Disse a Diana.
  - Ei me diga, você é amiga da Tina, Váila e o Jorge?
  - Sim, eu sou por quê? Algum problema?
  - Não nenhum.
  Na verdade tenho problema porque aparentemente eles têm problema comigo, não o motivo, mas não sentir muito a vontade para falar para ela, o que eles estavam tramando.
  - Ei me diga...
  - Sim - Disse a Diana.
  - Algum deles cancelou o encontro.
  - Até agora não.
  - Atá.
  Filha da pulta.

                                                            Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13, 14

quinta-feira, fevereiro 22, 2018

Vocês não são como eu: parte: 14


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  Depois da conversa esclarecedora do Rodrigo, ganhei finalmente coragem, eu já sabia exatamente o que fazer. Então na manhã do outro dia fui para o meu trabalho, me arrumei passei desodorante e perfume.
  Fui em direção ao trabalho, sentei na minha cadeira, estava escutando musica com o fone de ouvido, quando ela chegou, tirei o fone, de ouvido.
  - Oi Diana.
  - Olá Daniel.
  - Ei, posso te fazer uma pergunta?
  - Pode.
  - O que você vai fazer nesse final de semana?
  - Nada demais por quê?
  - É que eu estava com vontade ver um filme.
  - Qual?
  - "La La Land".
  - É estou a fim de ver esse filme.
  - Quer ir comigo, no shopping "rio grande", as 15:30?
  - Você está me convidando para um encontro?
  - Sabe de uma coisa... Sim eu estou te convidando para um encontro.
  - Então eu vou.
  Estava sendo difícil conter a minha felicidade se depender-se de mim eu estaria dançando de alegria nesse escritório, ela podia muito bem ver isso e cancelar o encontro na sala.
  A Tina e a Váila entraram, notei que o Jorge não estava com elas, quando notei, ele estava na sala o tempo todo. Acho que não o vi ele visto que, estava focado na Diana, sem querer deixei em um ponto cego.
  Então continuamos o trabalho, então quando terminamos a historia e estava na hora da conversa aleatória do dia.
  - Ei tina e Váila, vocês tem planos para o final de semana? - disse o Jorge.
  - Não - disse a Tina e Váila.
  - Vocês gostariam de sair com a gente, para o cinema para ver o filme "la la land", no shopping as 15:30, vamos eu e a Diana.
  - Claro - disse as duas.
  Não acredito que ele está tentando arruinar o meu encontro com a Diana por que motivo. Quando acabou fui de encontro.
  - Que porra foi essa?!
  - O quê? - Disse o Jorge.
  - Não se faça de inocente, você sabe muito bem o que você fez.
  - Acontece que eu a Tina e a Váila, nós gostamos muito da Diana, como amiga e uma pessoa que gente com que ela não se encontrar-se é você.
  - Não seja um babaca e cancele o seu plano maldito.
  - Nem fudendo!
  MERDA!

                                                     Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12, 13

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

Vocês não são como eu: parte: 13


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  Depois de eu e a Diana conversávamos, já estava na hora da gente ir para casa, então eu estava andando na rua, estava sentindo aquela sensação de felicidade voltando.
  Enquanto estava andando notei que a rua estava praticamente toquei "Mark Ronson - Uptown Funk ft. Bruno Mars" então eu estava praticamente dançando na rua, dando passo a passo ao ritmo da musica ao ritmo da musica, também ficava cantando ela, não importava se alguém estava vendo ou não, estava dançando na rua.
  Nesse momento sô conseguia pensar na minha felicidade, se alguém me achar-se o maluco, não tem problema eles não estão pagando a minha conta, então não preciso me importa com que eles pensam.
Então eu cheguei à minha casa, então liguei para o meu melhor amigo o Rodrigo.
  - Alô.
  - Quem é? - Disse o Rodrigo.
  - Sou eu o Daniel.
  - Ei, o que foi Daniel.
  - Eu recebi uma grande boa noticia estava a fim de falar alguém sobre isso.
  - Qual foi a noticia.
  - Sabe a Diana?
  - Sei, a garota que você está afim, não me diga ela acabou com o namorado.
  - Acontece que nunca teve um namorado.
  - O quê?
  - Acontece que fiquei muito na cara que eu estava a fim de paquerar ela, mas como eu era um colega de trabalho, não se sentia a vontade em namorar um logo nos primeiros dias. Então ela inventou esse namorado.
  - Como você soube disso?
  - Ela me contou.
  - Que historia!
  - Queria ajuda na perspectiva de uma pessoa "normal", sabe sem esse negocio de asperge, para sabe se isso realmente é uma coisa boa ou estou errado e não é tão bom o quanto eu imagino.
  - Depende ela disse está de mente aberta a quanto namorar um colega de trabalho.
  - Acontece que isso pode não ser um problema.
  - Como assim?
  - É que estou pensando em sair desse trabalho e viver a minha vida de escritor de livros.
  - Eu achava que você sô conseguia criar historias curtas.
  - Acontece que agora consigo escrever historias mais longas.
  - Então o que eu tenho a dizer é vá atrás dela, porque pelo visto você achou a sua musa inspiradora.
  - Acho que você tem razão.

                                                      Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11, 12

terça-feira, fevereiro 20, 2018

Vocês não são como eu: parte: 12


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  Fiquei semanas, indo para o trabalho, conversava com a Diana, às vezes andávamos um pouco com ela, nós dois íamos a outros lugares enquanto nós conversamos mais e mais.
  Sempre no caminho terminava o meu livro, uma coisa que ando percebendo que estou batendo menos no saco de pancadas, talvez esteja recuperando a minha felicidade, que pena que ela tem outra pessoa.
  Era sempre assim no trabalho, sempre me encontrava com ela, conversávamos mais, andando para outros lugares, às vezes nós dois íamos comer em um restaurante, nós dois estávamos nos divertindo, adoro o jeito como ela sorrir.
  Um dia ela me pediu para ir para praia com ela e alguma amigas. Fui sem nenhum problema, nós estávamos nos divertindo, era realmente um bom momento para está vivo.
  O tempo passava então conseguir terminar o meu livro, então entreguei para um revisor, depois disso, fui entregar ele para várias editoras escutei muitos não, mas até um "Sim", finalmente foi dito.
  Agora era sô esperar, queria saber se ele ia ficar na pilha de livros que ninguém conhece ou se iria se destacar, então depois de algumas semanas recebo uma ligação da minha editora, eles me disseram que o meu livro vendeu bem, eu iria ganhar muita grana disso, de repente todo o meu bloqueio de sô criar historias curtas de desfez.
  Fico pensando se eu finalmente peço demissão ou não, então fui para o trabalho, então na hora da saída, a Diana foi se encontrar comigo.
  - Oi Daniel - Disse a Diana.
  - Oi, Diana tudo bem?
  - Tem uma coisa que eu queria dizer.
  - O quê?
  - Você se lembra de que eu disse que eu tinha um namorado?
  Sempre.
  - É eu acho que sim.
  - Eu estava mentindo.
  - Por quê?
  - No dia o Jorge e a Tina, tinha me dito que você nunca cortava o cabelo e barba, os dois insinuaram que talvez você estivesse afim de mim, eu não fico confortável em namorar um colega em trabalho.
  - Ironicamente eu estava com vontade de pedir demissão.
  - Por quê?
  - Pelo o motivo que eu vendi um livro e ele está vendendo bem, ultimamente ando tendo ideia para vários livros.
  - Quem bom para você.
  Espero que seja bom para nós.

                                                           Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10, 11

segunda-feira, fevereiro 19, 2018

Vocês não são como eu: parte: 11


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  - Sobre o que é livro? - Disse a Diana.
  - Sobre alguém que perdeu toda a felicidade do mundo, então um dia ele volta a ser feliz.
  Ela fica um pouco chocando com a historia, mas depois conversamos um pouco, depois fuim para casa continuar escrevendo o livro, depois vou para casa dos meus amigos jogar uma partida de RPG, depois eu vou para a cozinha do meu amigo, tomar um refrigerante, o meu amigo Rodrigo chega perto, ele é magro, usa óculos, cabelo curte e preto.
  - Ei cara como está indo o trabalho? - Disse o Rodrigo.
  - Eu estou odiando.
  - Por quê?
  - Porque tem uma pessoa de quem eu estou afim, mas...
  - Ela tem um namorado.
  - Você está entrando na friend-zone com ela?!
  - Não, por enquanto nós dois sô somos colegas de trabalho.
  - Foi por ela que você se ajeitou?
  - É antes dela me dizer essa noticia.
  - O quão bonita ela é.
  - Ela é tão linda que eu nem consigo descrever.
  - Você não a acha muito areia para o seu caminhão?
  - Talvez ela seja.
  - Vai que você tenha sorte, o namorado dela pode ser um babaca, você pode se aproximar ela pode achar você legal e ficar com você?
  - Assim eu correria o risco de cair na friend-zone de vez.
  - Você nunca sabe se você não tentar.
  - Bem, pelo menos ela está me servindo de inspiração.
  - Como assim?
  - Ela me deu inspiração para fazer um livro.
  - Um livro? Eu pensava que você tinha um problema que você não conseguia alongar as suas historias.
  - Parece que eu superei este problema.
  - Sobre o que é livro?
  - É sobre uma pessoa cansado do trabalho, até uma nova pessoa entra na vida dela, começa a trabalhar junto.
  - Você não acha que ela vai se tocar que a historia é sobre ela?
  - Eu mudei alguns detalhes acho que ela não perceberia a diferença.
  - Quando acabar o livro, posse ler o livro.
  - Claro.
  - Mal posso esperar.

                                                       Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09, 10

sexta-feira, fevereiro 16, 2018

Vocês não são como eu: parte: 10


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  Depois da nossa cantoria, pausei as musicas.
  - Você já viu o filme "once".
  - Já - Disse a Diana.
  - Em minha opinião eles deviam ter ficados juntos no final.
  - Também penso a mesma coisa.
  Nós conversamos até chegar a hora de voltar ao trabalho, desta vez estava tendo mais liberdade, para conversar com ela porque desta vez ela sabe da minha condição então se ela ficar com raiva de mim, não vai ser por um mal entendido.
  Então voltamos ao trabalho, fizemos mais uma historia, então quando o trabalho estava acabando, a Váila.
  - Vejo que você anda ignorando meus conselhos? - Disse a Váila.
  - Acontece que você não tinha nenhum motivo para dar conselhos, acontece que ela tem um namorado.
  - Quando você soube antes de ontem.
  - Antes de ontem?
  - É.
  - E ontem você estava mal?
  - Sim, por causa da gripe.
  - Eu acho que essa gripe tem um nome chamado Diana.
  - Fui uma gripe normal.
  - Vai-me dizer que foi uma coincidência, antes de ontem ela dizer que tem um namorado e no dia seguinte você se sente mal.
  Odeio dela fica acertando em cheio o que acontece na minha vida.
  - Antes de ontem choveu e peguei chuva, acontece com algumas pessoas ficarem gripadas depois disso.
  - Você não me engana - Disse a Váila.
  - Sabe de uma coisa, ela tem um namorado então todo seu conselho foi inútil então estou indo embora.
 Coloquei um fone de ouvido, fui andando acelerado, fui descendo as escadas, fui o mais rápido para a casa, então quando cheguei, liguei o meu computador fui continuar o conto que estava escrevendo.
  Enquanto estava escrevendo ele notei que este conto estava se esticando demais, ainda tinha muita historia então me levantei coloquei o meu fone de ouvido, fiquei tomando uma decisão se tentava diminuir para continuar um conto ou tentaria fazer um livro.
  Sempre fiz contos na minha vida, nunca tinha feito um livro, dará mais trabalho para publicar, do que os meus contos, então depois de muito pensar, então mudei o meu conto para um livro.
  Então fiquei nele a noite toda, quando acordei notei que acordei tarde então, me arrumei e fui direto para o trabalho, entrei no escritório me sentei na cadeira, pedir para me atualizar na historia, me disseram o que eles estavam pensando.
  Então quando o Trabalho acabou, estava indo em direção para a casa.
  - Você está bem? - Disse a Diana.
  - Sim.
  - Por que você se atrasou?
  - Porque eu estava escrevendo um livro.

                                                      Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09

quinta-feira, fevereiro 15, 2018

Vocês não são como eu: parte: 09


Fonte da imagem: Saude UMCOMO

  - Posso te fazer uma pergunta pessoal?
  - Sim.
  - Pode.
  - Você tem uma namorada.
  - Não e você está namorando alguém?
  - Estou...
  Nós conversamos mais, sô que a noticia que ela tinha um namorado, tinha me pegado de jeito, não prestava atenção em nada do que ela estava falando, simplesmente ficava conversando no automático.
Então fui saindo do prédio com o guarda, estava chovendo de novo estava cantando a musica do "dançando na chuva", mas desta vez estava cantando uma versão mais triste, sem nem um pingo de alegria.
  Fui chegar a casa, pego a minha luva de boxe, fiquei olhando para o saco de pancada.
  Na manhã seguinte estava com nenhuma disposição para ir para o trabalho, sai de casa fui para um shopping, fui numa loja de artigos esportivos, comprar um novo saco de pancadas.
  A noite passada descontei toda a minha frustração no saco de pancada, mas desta vez fui alem do ponto, até o saco se rasgar, depois coloquei ele em um saco de lixo e coloquei no lixo.
  Depois quando voltei para a casa, fui me deitar na cama, fiquei pensando em um mundo, onde ela tenha namorado e que essa pessoa seja eu, ficava imaginando como seria.
  Depois me veio eu sou um escritor, posso criar um historia comigo e com ela na minha cabeça quando quiser, podemos fica juntos na minha imaginação sempre quando possível, eu basicamente vivo na imaginação então tudo bem.
  Então escrever um conto. No outro dia fiz a barba, fui direto para o trabalho, coloquei o meu fone de ouvido, continuei escrevendo um conto, então a Diana entra na sala.
  - Você está bem? - Disse a Diana.
  - Sim, estou.
  - Por que você não veio hoje.
  - Ontem a gripe estava me matando, mas tomei muito remédio e muita bem.
  - Mas você está bem, sim estou.
  Então o trabalho começou no horário do almoço, fiquei num corredor que tinha uma vista das arvores, ficava escutando com o meu fone de ouvido, a Diana cutuca o meu braço.
  - O que você está escutando? - Disse a Diana.
  - A musica "falling slowly" do filme "Once".
  - Posso ouvir.
  Coloquei um fone no ouvido, dela então nós dois estávamos cantando a musica, ela realmente estava afim da musica, estávamos cantando em voz alta, ela estava tão bonita nesse momento, que é difícil de acreditar que isso estava realmente acontecendo.

                                                              Continua...

Veja a parte anterior: 01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08