quarta-feira, outubro 06, 2010

EU SOU A EVOLUÇÃO

eu sou charles deen, por toda a minha vida tentei saber quem erá o meu pai, se ele erá uma boa pessoa descidir falar com a minha mãe tenho 20 anos eu posso aguentar qualquer noticia.
o Chatles Deen tem cabelos curtos olhos azuis, ele estava usando um sobre-tudo preto, calça marrom, e camisa social preta.
ele foi até a mãe dele, ela estava usando calça jeans preta, uma camisa decotada vermelha.
Charles Deen:
- ola mãe.
mãe:
- oi filho tudo bem?
Charles Deen:
- mãe quem é o meu pai?
mãe:
- estava esperando você pergunta isso, se senta por favor.
o Charles deen sentou em uma cadeira que estava ao lado de mesas redontas típicas de cozinha.
Charles Deen:
- quem é ele?
mãe:
- ele é Saimon Becker, um estuprador.
Charles deen:
- o que?
mãe:
- seu pai é Saimon Becker o estuprador, ele estrupo mais de 200 mulheres eu inclusa.
Charles Deen:
- enquanto tempo foi que começou essa onda de estrupos.
mãe:
- num periodo de 6 meses.
Charles Deen:
- você estar querendo me dizer que num periodo de 6 meses ele estuprou 200 mulheres?
mãe:
- o negocio é que ele erá incansável, ele não fazia um estupro por noite comentia vários.
Charles Deen:
- eu acho difícil de acreditar.
mãe:
- por mais que seja dificíl de acreditar é a mais pura verdade, e em todas as mulheres que ele engravidou fez filhos.
Charles Deen:
- você estar dizendo que eu tenhos irmãos e irmãs.
mãe:
- sim.
fiquei um tempo tentando acreditar nisso, eu vi o meu carro lá fora antes de sair de casa perguntei para ela onde ele estava, ela tinha recusado de inicio mas depois
aceitou peguei a chave e fui, depois de um tempinho escultando musica cheguei na prisão fui revista e disse a eles que queria falar com Saimon Becker, sentei numa cadeira, na frente tinha um vidro e o telefone do meu lado, e senta na minha frente um jovem que aparecetar ter a minha idade com cabelo ráspado, e olhos pretos, peguei o telefone, e ele também fez a mesma coisa.
Charles Deen:
- você é Saimon Becker.
Saimon Becker:
- sim.
Charles Deen:
- você deve ser filho dele.
Saimon Becker:
- eu sou o próprio.
Charles Deen:
- que a 20 anos atrás estrupou 200 mulheres.
Saimon Becker:
- você quer meu autografo?
Charles Deen:
- você não pode ser ele.
Saimon Becker:
- por que você diz que eu não sou ele.
Charles Deen:
- por que ele é meu pai, e você aposto que tem a minha idade.
Saimon Becker:
- eu tenho 48 anos.
Charles Deen:
- você tem 20 anos apróximado você não pode ser mais velho.
Saimon Becker:
- acredite no que quiser.
fui até a diretoria e falei com diretor de lá, ele erá um velho que usava uma roupa formal.
Charles Deen:
- oi eu sou Charles Deen, queria vocês me apresentar-se o Saimom Becker, e vocês não me apresentaram ele.
diretor:
- o que?
um policial chegou trazendo a folha de aquivos.
policial:
- mas estar aqui, nos aquivos que ele é Saimon Becker.
Charles Deen:
- o Saimon Becker é o meu pai, aquele que vocês me apresentaram provavelmente tem a mesma idade que eu.
eles foram ver o aquivo e o video, e mostrou que a foto e a Cara de Saimon Becker, eram iguais.
Diretor:
- mas aqui estar mostrando que é ele.
Charles Deen:
- olhe para ele, este cara tem cara de ter 40 anos.
diretor:
- você tem razão vou ver o que estar acontecendo.
eles estavam na ala no hospital e pegaram uma gota de sangue.
Saimon Becker:
- por que vocês acham tão difícil de acreditar que eu sou Saimon.
Diretor:
- por que de acordo com os aquivos você teria 48 anos e dá para ver que o senhor tem 20 anos.
Saimon:
- eu sabia que vocês iriam aceitar a verdade uma hora ou outra.
Charles Deen:
- do que você estar falando?
Saimon:
- que eu não descendo do macaco como vocês.
um dos policiais se irrita.
policial:
- CALE A BOCA SE NÃO VOCÊ VAI PARA A SOLITÁRIA.
Diretor:
- vocês dois se acalmen.
Saimon Becker:
- eu estou bastante calmo.
Diretor:
- mais uma gracinha dessa e você vai para a solitária.
depois de um tempo uma ciêntista chega.
ciêntista:
- mostra nos aquivos de Dna do Saimon de 20 anos e esse atual e mostra que são as mesmas pessoas.
pego o resultado não acreditando nele.
Saimon Becker:
- você se convenceu meu filho.
Charles Deen:
- como você pode ser meu pai.
o diretor pega a folha.
Diretor:
- eu tambem não acredito nisso.
Saimon Becker:
- como eu falei eu não descendo dos macacos eu descendo de deus.
Diretor:
- não pode ser.
o Saimon fica com o Sorriso no rosto.
Saimon Becker:
- poisé como vocês notaram eu sou imortal.
Ciêntista:
- diretor você sabe o quanto isto é importante na comunidade ciêntifica.
Diretor:
- não posso deixar que ele seja motivo de estudo.
que ele seja motivo de estudo.
Saimon Becker:
- deixa eu ser motivo de estudo.
Diretor:
- não posso.
Saimon Becker:
- divindades como eu devem ser glorificadas e não presas.
Diretor:
- já falei que se você vinher-se com essas gracinhas te colocaria preso.
Saimon:
- me coloque, vai ser o que uns 40 anos, eu sou imortal o tempo só faz efeito nos outros!
Charles Deen:
- isto não pode estar acontecendo.
ciêntista:
- diretor você não percebe a importância dele.
Charles Deen:
- ele é um estuprador é isso que ele é.
Ciêntista:
- mas também é o primeiro ser humano com super poderes.
Saimon Becker:
- concordo com ela.
policial:
- CALE A BOCA.
Saimon Becker:
- não sou eu que estou dizendo.
Policial:
- não interessa.
Charles Deen:
- a primeira super pessoa com super poderes é um estrupador!
Diretor:
- isto é absurdo.
Ciêntista:
- você tem que deixar ele ser estudado.
Charles Deen:
- vocês não podem examinar ele.
Ciêntista:
- por que você não quer que examine o seu pai, quem sabe você tem o mesmo gêne que dar poder para outros.
Charkes Deen:
- não quero nada que seja presente dele.
Saimon Becker:
- você vai negar o presente de deus.
Charles Deen:
- você não é deus.
Saimon Becker:
- não mas sou quase.
2 anos depois o Charle estava comendo na casa da mãe e vem a noticia no jornal,
"primeiro ser humano com super poderes", depois vem uma pessoa na casa, o charles vai até ele e pegar uma folha dizendo.
"compareça no julgamento" ele oulhou o dia, a mãe chega perto.
Mãe:
- o que estar acontecendo?
Charles Deen:
- estão querendo liberta o seu estrupador.
mãe:
- por que querem fazer isso?
Charles Deen:
- por que ele é o primeiro ser humano com super poderes.
mãe:
- isto é absurdo.
Charles Deen
- parece que estão querendo liberar para estudos.
mãe:
- isso não pode acontecer.
mãe:
- este desgraçado é uma criatura.
Charles Deen:
- concordo.
mãe:
- não podermos deixar este animal fica solto.
Charles Deen:
- antes ele era só um extrupador agora ele estar sendo tratádo como celebriadade.
mãe:
- o que podemos fazer?
Charles Deen:
- só podemos ir ao tribunal.
mãe:
- você pode ter certeza que eu vou.
Charles Deen:
- eu te ajudo.
mãe:
- este desgraçado é uma aberração da natureza.
Charles deen:
- não poderia concorda mais.
saiu por um tempo de perto dela vou para o meu quarto faço uma bola de gelo aparecer na minha mão, sei que tenho o poder de congelar, será eu uma aberração, vou para a prisão ter uma outra converça com ele, estava eu de frente a frente á ele.
Saimon Becker:
- ola filho.
Chales Deen:
- eu gostaria que você não me chamar-se de filho.
Saimon Becker:
- o que você não sente orgulho de min?
Charles Deen:
- como eu poderia ter orgulho de um pai estrupador.
Saimon Becker:
- por que você só ver o lado que estes primatas vêem.
Charles Deen:
- você não é superior a ninguém.
Saimon Becker:
- o meu poder de ser imortal diz o contrário.
Charles Deen:
- você tem poderes grandes coisas.
Saimon Becker:
- estou feliz por você ter vindo.
Charles Deen:
- por que você diz isso?
Saimon Beclker:
- por que aquela sua visita fez com que aquela ciêntista falar-se para os outros, e por isso vai haver o julgamento se eu posso ser um teste de estudos.
Charles Deen:
- aquilo foi um erro.
Saimon Becker:
- ao contrário meu filho foi um grande acerto.
Charles Deen:
- pare de me chamar de filho.
Saimon Becker:
- o que você não gostar do seu pai como uma divindade.
Charles Deen:
- você não vale nada.
Saimon Becker:
- muito pelo contrário.
Charles Deen:
- você é um estrupador e mais nada.
Saimon Becker:
- por que você acha que eu virei estrupador?
Charles Deen:
- eu não sei me diga.
Saimon Becker:
- naquela época eu já sabia que eu tinha poderes, ser imortal não é o meu unico super-poder também tem o fator que eu me curo muito rápido, percebendo que eu sou uma espécie de deus, não poderia deixar essa passar, eu tinha que ter filhos, só que as mulheres tôlas não queriam um filho meu.
Charles Deen:
- tenha respeito quando falar delas por que uma delas é a minha mãe.
Saimon Becker:
- a sociedade tratou elas com burri-se.
Charles Deen:
- por que você diz isso?
Saimon Becker:
- por que a sociedade tratou elas como vítimas.
Charles Deen:
- mas são exatamente o que elas são.
Saimon Becker:
- por ter os meus filhos elas deveriam ser glorificadas.
Charles Deen:
- você é louco.
Saimon Becker:
- eu sou louco, elas é que foram loucas de não aceitar o filho de deus.
Charles Deen:
- você não é deus.
Saimon Becker:
- o que você veio fazer aqui colocar os assuntos em dia!
Chales Deen:
- como foi para você sabe que tinha super poderes?
Saimon Becker:
- por que você estar fazendo essa pergunta?
Chales Deen:
- você sabe curiosidade.
Saimon Becker:
- entendi tudo, você também é uma divindade.
Chales Deen:
- eu tenhos os poderes mas eu não sou uma divindade.
Saimon Becker:
- não seja tôlo filho, você tem poderes para os que descerderam dos macacos isto ja é grande coisa.
Charles Deen:
- pare de ficar menosprezando os outros.
Saimon Becker:
- PARAR DE MENOS PREZAR OS OUTROS, VOCÊ ESTAR BRINCANDO NÓS SOMOS A EVOLUÇÃO DOS MACACOS, NÓS NOS TORNAMOS DIVINDADE, EU MENOS PREZO POR QUE POSSO MENOS PREZADO, NA ESCALA EVOLUCIONÁRIA, EU SOU O PRÓXIMO NÍVEL DA ESPÉCIE HUMANA, EU SOU A EVOLUÇÃO.
Charles Deen:
- pare com isso.
Saimon Becker:
- estes normais não podem dizer aos deuse o que fazer, nós é quem dizermos a eles o que fazer.
Charles Deen:
- você não deus e mesmo que se fosse você não tem o direito de tratar os outros mal.
Saimon Becker:
- EU NÃO POSSO, DEUES PODEM FAZER O QUE QUISER.
chales Deen:
- pare de gritar.
Saimon Becker:
- você como eu é um deus, não tente por um segundo parecer que é igual á eles POR QUE VOCÊ NÃO É.
sair da prisão com raiva, dele tentava me acalmar no caminho, mas não conseguia, como deus deu para ele um poder, como ele pode fazer isso, fui até a casa da minha mãe, fui sentei na cadeira.
mãe:
- onde você filho?
Chales Deen:
- para a cadeia.
Mãe:
- não me diga que você foi visitar ele de novo.
Charles Deen:
- sim.
Mãe:
- por que você foi fazer isso?
Charles Deen:
- prescisava de algumas respostas.
Mãe:
- você sabe que ele me estrupou por que quiz.
Charles Deen:
- ele disse que não se arrepende e vocês deveriam ser glorificadas, por terem os filhos dele.
Mãe:
- mas quem este desgraçado pensar que é.
Charles Deen:
- DEUS.
mãe:
- só me faltava essa.
Charles Deen:
- eu sei.
mãe:
- é verdade que ele tem poderes.
o Chales faz uma bola de gelo aparecer e crescer na mão dele e joga a bola, ela tinha quebrado na hora.
Mãe:
- mas como...
Chales Deen:
- erá isso que eu queria saber "mas como".
Mãe:
- você descobriu?
Charles Deen:
- o desgraçado tem realmente poderes, e parece que este poderes podem ser passados de pai para filho.
mãe:
- eu não sabia que você tinha estes poderes.
charles Deen:
- eu não sabia até pouco tempo.
mãe:
- foi no dia que você foi ver o seu pai?
Charles Deen:
- não, eu descobrir isso a 6 meses atrás.
mãe:
- isto é uma coisa dele.
Charles deen:
- eu não queria ser em nada parecido com ele.
mãe:
- isto é uma coisa boa não uma maldição.
chales deen:
- mas foi por causa dos poderes dele que você foi estrupada.
Mãe:
- o que você disse?
Charles Deen:
- disse só por que ele teve estes poderes ele achou que erá obrigação dele espalhar o gênes dele pelo mundo.
Mãe:
- que desgraçado.
Charles Deen:
- se você me dar lisença eu vou sair daqui.
estava com muita raiva sair de casa peguei o carro, e fui para um bar mas próximo, fui bebendo várias cerveja.
Charles Deen:
- DROGA.
uma pessoa de cabelos longos e pretos com uma camisa de banda de Rock, se impresionou com a minha raiva.
pessoa:
- o que foi cara?
Charles Deen:
- acho que piorei tudo.
pessoa:
- o que foi?
Charles Deen:
- primeiro eu sou Charles Deen.
pessoa:
- sou Dervelin.
Charles Deen:
- noto que eu sôtaque é diferente.
Dervelin:
- é que eu sou do brasil, estou aqui de férias.
Charles Deen:
- eu sempre queria ir para lá.
Dervelin:
- mas o que foi esta raiva.
Charles Deen:
- é que tem uma chance do meu pai sair da prisão, e pode ser minha culpa.
Dervelin:
- você não estar feliz que seu pai vai sair da cadeia?
charles Deen:
- o negocio que meu pai é um estrupador com complexo de deus.
Dervelin:
- por que este complexo?
Charles Deen:
- é que ele tem super-poderes.
Dervelin:
- e você não acha legal o fato dele ter super-poderes.
Charles deen:
- acharia se ele fosse outra pessoa.
Dervelin:
- mas como você disse que piorou tudo?
Charles Deen:
- é que eu fiz o mundo perceber isso.
Dervelin:
- que mancada.
Charles Deen:
- e você acha que eu sei disso.
Dervelin:
- qual é o poder dele?
Charles Deen:
- o que?
Dervelin:
- qual o poder que ele tem?
Charles Deen:
- o poder dele é de ser imortal.
Dervelin:
- este poder deve ser um saco para provar que é imortal.
Charles deen:
- e foi isso que eu fiz.
Dervelin:
- poderia ser pior.
charles Deen:
- como poderia ser pior?
Dervelin:
- ele poder ter o poder da super-força e sair da cadeia fácil.
Charles Deen:
- tem razão poderia ser pior.
Dervelin:
- como foi que ele conseguiu o poder?
Charles Deen:
- ele nasceu assim, eu acho?
Dervelin:
- ual, nascer com super poderes deve ser o máximo.
Charles Deen:
- pelo que eu acho ele só conseguiu este poder quando erá adolêcente.
Dervelin:
- por que você acha isso?
Charles Deen:
- por que aconteceu a mesma coisa comigo.
Dervelin:
- ual que sortudo.
Charles Deen:
- eu não me considero com tanta sorte.
Dervelin:
- você tem uma coisa que todos gostariamos de ter super-poderes.
Charles Deen:
- vendo de quem eu adiquirir prefiro entregar eles para outras pessoas.
Dervelin:
- ual você é muito persimista.
Charles Deen:
- você acha!
Dervelin:
- você deveria olhar o lado bom da vida.
chales Deen:
- para min não existe lado bom nisso.
Dervelin:
- por que, qual é o seu super-poder.
Charles Deen:
- eu tenho o poder de congelar.
Dervelin:
- você deveria ficar feliz, por que não é um poder inútil.
Charles Deen:
- é de quem eu adiquirir este é o problema será que você estar me ouvindo.
Dervelin:
- eu queria ter um poder.
Charles Deen:
- qual?
Dervelin:
- seila, mas tomara que não seja inutíl, se tiver-se algo por ai como uma formula que estregar super-poderes eu tomava ela.
Charles Deen:
- se puder-se te engrava o meu poder.
Dervelin:
- olha cara esquece este problema todo e vai viver.
Charles Deen:
- gostaria que fosse tão fácil.
Dervelin:
- você não entende é fácil.
Charles Deen:
- por que eu deveria escutar você.
Dervelin:
- se divirta com o que tem se não você vai peder.
Charles Deen:
- por que você não desaparece.
Dervelin:
- eu tentei ajudar, eu vou para os meus amigos.
Charles Deen:
- certo.
Dervelin:
- se divita e use a sua habilidade para pegar garotas.
o Dervelin saiu de perto do Charles Deen.
charles deen:
- que cara chato, eu espero que aconteça um acidente com ele.
depois dessa converça irritante, voltei para casa, depois no outro dia eu fui para a prisão, e perto de lá tinha uma multidão, e tinha um cataz escrito"filhos da luz", cheguei perto de uma moça cabelos longos e loiros, com sobre-tudo de frio, por que estava nevando.
Charles Deen:
- o que estar havendo?
a mulher:
- são os filhos do Saimon querendo a liberade dele.
Charles Deen:
- isto é ridículo.
a mulher:
- eles acham que o nosso pai é um deus.
Charles Deen:
- voce disse "nosso"?
a mulher:
- eu sou filha dele.
charles Deen:
- também.
a mulher:
- ola irmão eu sou Matilda.
Charles Deen:
- eu sou Charles Deen.
nos comprimentamos.
Charles Deen:
- você concorda com eles.
Matilda:
- quero ver se você é filho dele mesmo.
ela se afasta o Charles vai atrás dela, ela fica com as duas palmas da mão aberta e apontando para o chão, e isso faz uma onda de choque, isso estava tremendo todo o Local charles caiu no chão.
Charles deen:
- o que?
Matilda:
- prove que você é filho dele.
Charles deen:
- por que eu tenho que provar.
Matilda:
- para eu confiar em você.
Charles encosta a mão no chão enquanto ele estar se levantando faz uma pequena torre de gelo do tamanho dele.
Matilda:
- lembra-se não se sinta especial, todos que se divem filhos da luz tem poderes.
Charles Deen:
- você diz que todos que são filhos dele tem super-poderes.
Matilda:
- exato.
Charles Deen:
- você tem certeza.
Matilda:
- você é o numero 200, e 200 foram o tanto de filhos que ele fez.
Charles Deen:
- por que eles querem liberta ele?
Matilda:
- pelo fato de termos super-poderes os outros ficam tratando ele como um deus.
Charles Deen:
- um homem com um ego grande, e ainda as pessoas chamarem ele de deus.
Matilda:
- ego-centricos não deveriam ter poderes, egocentrigo a pessoa já se acha imagine uma pessoa dessa com poderes só piorar a situação.
Charles deen:
- você sabe uma coisa que ele me disse?
Matilda:
- o que?
Charles deen:
- que ele erá a evolução.
Matilda:
- que convencido.
Chales deen:
- com a ajuda desse povo só vai piorar as coisas.
Matilda:
- concordo.
Charles Deen:
- vou até lá.
Matilda:
- o que você vai fazer?
Charles Deen:
- pedir para eles pararem desse negocio.
Matilda:
- estes são fanáticos, você não vai conseguir parar.
Charles deen:
- vou ter que falar com o lider deles.
Matilda:
- o maluco!
charles deen:
- o que foi?
Matilda:
- você quer encontrar com o lider deles,e com um risco de briga.
Charles Deen:
- idai eu sei me defender.
Matilda:
- você estar se esquecendo que eles também tem super-poderes.
Charles deen:
- não me esqueci disso.
Matilda:
- enfrentar muitas pessoas com super-poderes é suícidio.
Charles deen:
- eu sei.
Matilda:
- é melhor ficar na sua que é melhor.
charles Deen:
- espero ter uma converça racional com ele.
Matilda:
- converça racional com um fanático!
Charles deen:
- ele não vai me matar.
Matilda:
- não contaria com isso.
Charles deen:
- só vou ter uma converça calma.
Matilda:
- como você estar do lado do que estão pensando direito e ser tão burro.
Charles deen:
- eu vou falar com ele.
Matilda:
- não faça isso.
fui até a pessoa que estava gritando auto parecendo der o lider, erá um cara com cabelo ráspado uma camisa branca escrito "filhos da luz" e ele estava vestindo uma calça jeans.
Charles deen:
- você é quem estar fazendo tudo isso?
a pessoa:
- sim.
Charles Deen:
- qual o seu nome?
a pessoa:
- douglas.
Charles Deen:
- eu sou Charles Deen e quero que você pare com isso.
Douglas:
- quem você pensa que é?
Charles Deen:
- um dos seus irmãos.
Douglas:
- então você é um dos "filhos da luz"?
Charles Deen:
- eu sou filho do tal Saimon mas não sou um filho da luz.
Douglas:
- você não ver ele é um deus.
Charles Deen:
- ele é um estrupador desgraçado.
Douglas:
- como você ousar?
o douglas dar um soco de Charles e o Charles é jogado na parede com a Força do soco, a Matilda chega perto do Charles.
Matilda:
- mandou bem!
Charles deen:
- cale a boca.
matilda:
- qual erá o seu plano apanhar até a morte.
o Charles se levanta.
Charles deen:
- devia acabar com ele.
Matilda:
- você estar se esquecendo que não é só ele que você deve enfrentar.
Charles deen:
- estou ciênte disso.
Matilda:
- não você não estar.
Charles deen:
- estou mais ciênte do que eles.
Matilda:
- você foi enfrentar fanáticos que tem super poderes, em que parte dessse negocio todo você ficou consciênte de tudo.
Charles deen:
- quer dizer que estou menos ciênte do que estes loucos.
Matilda:
- pelo que estou vendo sim.
Charles deen:
- não enche.
matilda:
- você devia fazer que nem eu.
vejo umas pessoas que tem a camisa de "filhos da luz" se beijando na boca cada um homem e mulher.
Charles deen:
- todos que tem a camiseta "filhos da luz" são irmão não é?
Matilda:
- sim.
Charles deen:
- aqueles que estão se beijando são irmãos.
apontei para o que tinha a camiseta escrita.
matilda:
- sim.
Charles deen:
- estar falando sério.
Matilda:
- sim.
Charles deen:
- por que eles estão fazendo isso.
Matilda:
- no mundo deles seria uma maneira da nossa raça evoluida crescer.
Charles deen:
- isto é loucura demais.
Matilda:
- por que você acha que eu não estou nessa.
Charles deen:
- qual e o plano deles.
Matilda:
- se o Saimon não for fazer os testes, eles vão destruir tudo e liberta o nosso pai.
Charles deen:
- me recuso a chamar esse cara de meu pai.
Matilda:
- como eu falei você não estar se demonstrando uma pessoa consciênte.
Charles deen:
- não quero um estrupador como pai.
Matilda:
- prefere como deus!
Charles deen:
- não prefiro nada dele.
Matilda:
- pai e mãe a gente só é uma temos que aceitar, eles não são perfeitos.
Charles deen:
- você acha que eu devo aceitar isso?
Matilda:
- meu deus você parece uma criança.
Charles deen:
- por que você fica me maltratando assim.
Matilda:
- o que quer que eu te trate com carinho como eles.
Charles deen:
- não.
Matilda:
- te trato mal por que eu posso, é direito de irmã.
Charles deen:
- engraçado.
Matilda:
- digo o contrário dessa sua atitude.
Charles deen:
- só disse que eu não quero este como pai.
Matilda:
- pare de ser uma criança mimada que achar que você deve escolher tudo.
charles deen:
- eu vou lar de novo.
Matilda:
- mas não vai não.
a matilda encosta no corpo de Charles faz ele tremer e o Charles caiu no chão inconsciênte.
no tribulas, tinha o juiz um velho careca, um adivogado cabelo arrumado, e curto, e a promotora cabelo logos e loiros e preso.
a no local para depor estava a ciêntista que descobriu primeiro o Saimon.
advogado:
- ola doutora?
ciêntista:
- eu sou Syndi.
advogado:
- Syndi por que mesmo você quer levar o meu cliente para estudos.
Syndi:
- nós poderemos estudar ele melhor no labóratôrio do que na prisão.
advogado:
- me diga a importância disso.
Syndi:
- se a gente neutralizar o que dá poder a ele, podemos expandilos no corpo de outras pessoas, assim a pessoa pode ficar poderosas.
Advogado:
- você estar querendo fazer um exército de "super-homens".
Syndi:
- não um exército.
advogado:
- me esclareçar.
Syndi:
- tendo uma civilização de super-humanos, podemos nos livrar de várias doênças.
Advogado:
- várias doênças ?
Syndi:
- quem sabe finalmente curar o cancêr.
Advogado:
- vocês ouviram senhoras e senhores do juri, deixe ele ir para o labôrátoria fazer os testes assim, qualquer membra da familia, que possa ter câncer pode ser curado.
Syndi:
- assim esperamos.
advogado:
- acabou as perguntas.
o advogado sentou e a promotora foi até ela.
Promotora:
- então você quer libertar um extrupador.
Advogado:
- protesto.
Juiz:
- promotora, não seja imprudente nos comentários.
promotora:
- me desculpe senhor meretisimo.
juiz:
- pode continuar.
Promotora:
- você tem certeza que isso pode trazer a cura ?
syndi:
- ainda não termos total certeza.
Promotora:
- você acha que na base onde vão testar ele, o Saimon vai ficar lá.
Syndi:
- na prisão ele ficou.
Promotora:
- mas a sua base não é muito segura.
Syndi:
- bem é...
Promotora:
- vocês querem arriscar a humanidade soltando ele.
Syndi:
- mas com ele nós podermos salvar a humaninade.
promotora:
- na teoria mas na vida real ele é um grande perigo.
Saimon Becker:
- você devia deixar ela falar.
promotora:
- advogado controle o seu cliente.
Saimon Becker:
- por que você mesmo não vem.
juiz:
- saimon silêncio.
Saimon Becker:
- quem sabe promotora você pode ter um filho meu como as outras.
Juiz:
- Saimon quieto você vai preso por desacarto.
Saimon Becker:
- tente.
Juiz:
- o que você disse.
Saimon Becker:
- para alguém irmortal 10 ou 20 anos não é nada.
advogado:
- pelo amor de deus Saimon se comporte.
Saimon bercker:
- ok.
Advogado:
- você não quer sair daqui?
Saimon Becker:
- para onde eles vão me levar não é exatamente uma liberdade.
Advogado:
- mas é muito melhor do que uma prisão.
Saimon Becker:
- lembrar-se que eu sou de me recuperar.
Advogado:
- sim e?
Saimon Becker:
- para min a prisão não é ruim.
advogado:
- você quer ficar na prisão para sempre.
Saimon Becker:
- aposto que eles nunca testaram prisão perpetua para valer.
Advogado:
- pelo amor de deus me ajude aqui.
Saimon Becker:
- você não entende eu não tenho a sua visão de mundo.
Advogado:
- você é louco.
Saimon Becker:
- na prisão eu sou livre posso fazer o que quiser, e a unica coisa que eles me purnem é ficar um tempinho na solitário, o que para min isso é patético.
Advogado:
- o que você quer?
Saimon Becker:
- que todos contemplem a minha divindade.
advogado:
- você é louco.
Saimon becker:
- bela maneira de representar um cliente.
Advogado:
- só por que eu estou representando alguém não quer dizer que eu concorde com as idéias.
Saimon Becker:
- eu sou um deus, você devia levar o que eu digo mas a sério.
Advogado:
- você é só um louco que deu sorte!
Saimon Becker:
- quando se estar de ante de deus é mellhor você levar as coisas mas a sério.
Advogado:
- que palhaçada!
Saimon Becker:
- se você fosse um advogado mas compertente nem estariamos aqui.
advogado:
- não tente me culpar pelos seus erros.
Saimon Becker:
- eu fiz uma coisa certa para a humanidade.
Advogado:
- pare de tentar se convencer disso.
Saimon Becker:
- você acha que elas não ficaram felizes de ter filhos de uma divindade.
Advogado:
- aposto que elas não ficaram felizes do modo como você engravidou elas.
Saimon becker:
- todo só ver o ruim.
Advogado:
- nós vermos a verdade.
Saimon Becker:
- vocês não vem ela como um todo.
advogado:
- e você ver?
numa lanchonete perto da prisão o Charles Deen acordou.
Charles deen:
- o que foi que aconteceu?
Matilda:
- o que aconteceu é que eu salvei a sua vida.
Charles Deen:
- você fez com que eu desmaiar-se não é?
Matilda:
- agora você estar sendo esperto.
Charles deen:
- pensava que você só fazia terremotos.
Matilda:
- eu causo tremores, e se causo isso em uma pessoa ela desmaia.
Charles deen:
- parece que sou o mai fraco entre os meus irmãos.
Matilda:
- é.
Charles deen:
- por que você não acaba com aqueles protestos todos.
Matilda:
- por que não sou uma idiota suicida como você.
Charles deen:
- você sabe como estar indo tudo no jugamento.
Matilda:
- todo mundo estar sabendo estar sendo filmado.
Charles deen:
- agora ele vai se achar mais, como o centro das atenção.
Matilda:
- ele é o primeiro com super-poderes, ele ia ser os centro das atenções.
Charles deen:
- e nós também não sormos especiais.
Matilda:
- sim, mas ele é o primeiro.
charles deen:
- tomara que o jugamento acabe e aquele desgraçado continue preso.
Matilda:
- ual o que foi que ele te fez.
Charles deen:
- você também não estar com raiva?
Matilda:
- eu não acho ele uma boa pessoa, e sei que ele estuprou a minha mãe, mas a minha raiva não passa disso.
Charles deen:
- me sinto culpado por tudo.
Matilda:
- como você nem nasceu da época dos estupros.
Charles deen:
- não é isso.
Matilda:
- você pode me esclarecer isso garoto revoltado!
Chales deen:
- é por que eu causei toda esta atenção.
Matilda:
- por que você diz isso.
Charles deen:
- por que eu sem querer fiz os ciêntistas notarem que ele tinha super-poderes.
Matilda:
- você que deu os super poderes a ele?
Charles deen:
- não.
Matilda:
- você disse a ele para estuprar todas as 200 mulheres.
Charles deen:
- não.
Matilda:
- pare de ficar se cupando ele ia conseguir atenção de um jeito ou de outro.
Charles deen:
- por que você acha isso?
Matilda:
- olhe para nós, todo nós termos super poderes, e todos nós iriamos querer de
quem é a fonte deste poder.
Charles deen:
- ainda bem que eu não cheguei nessa duvida.
na multidão onde estava a maioria dos "filhos da luz" tinha palestral pronto o Douglas foi para o microfone.
Douglas:
- ola pessoal.
povo:
- ola.
Douglas:
- você todos estão preseciando um momento histórico, sim meus amigos, vocês sabem que deus estar aqui na terra só aque ele estar preso o que devermos fazer.
povo:
- liberdade.
Douglas:
- isso os outros não tem o direito de trancafiar-lo.
pessoa:
- mas ele é um estrupador.
Douglas:
- ele não é um estrupador mas o ploriferador, e ele estava espalhando os filhos, e eles vão ajudar a humanidade.
pessoa:
- você não sente pena da sua mãe ter sido estrupada?
Douglas:
- ela não foi estruprada mas abençoada.
pessoa:
- como você pode dizer.
Douglas:
- por que eu sou um dos filhos da luz, e ele nos deu a sua benção, e todos nós podemos fazer coisas maravilhoas com ele, até ajuda os outros.
pessoa:
- você não sente raiva dele?
Douglas:
- antes eu odiava ele do que ele tinha feito com a minha mãe, mas quando percebi que eu tinha super-poderes parei de ter raiva dele, e a raiva foi embora quando eu vi que os meus irmãos também tinham poderes.
pessoa:
- qual é o seu poder?
Douglas:
- meu poder é a super-força.
pessoa:
- você acha que só por que só por que você tem poderes o estrupo da sua mãe é justificado.
Douglas:
- como eu falei antes, ela foi escolhida por deus para gerar filhos que são a salvação.
pessoa:
- você realmente acha que ele deveria estar livre.
Douglas:
- eu não acho.
pessoa:
- o que?
Douglas:
- eu tenho certeza que ele devia estar livre.
pessoa:
- para min vocês são aberrações.
Charles deen e matilda estavam vendo pela tv tudo que estava acontecendo quando o douglas estava palestrando.
Charles deen:
- mas este cara não parar de falar bestéira.
Matilda:
- o que você prentende e lar e apanhar de novo.
Charles deen:
- eu não sei.
Matilda:
- o minimo que você deveria fazer é discurça na frente dos que se dizem "filhos da luz" e tenta colocar um pouco de racionalidade nisso tudo.
Charles deen:
- seria uma boa idéia.
matilda:
- a idéia é boa mas não pode ser você.
Charles deen:
- por que não?
Matilda:
- você aje muito sem pensar nas consequências e isto é um problema.
Charles deen:
- eu juro que consigo.
Matilda:
- para falar para eles tem que ser alguém que tenha raiva dele mas pelo menos pense antes de fazer algum ato, só assim teremos uma pessoa para ser o lider.
Charles deen:
- por que você não faz isso?
Matilda:
- porque eu não sou corajosa.
Charles deen:
- do jeito que você falou parecia que você estava querendo fazer tudo.
Matilda:
- um bom lider tem que ter a sima de tudo coragem e intêligencia, eu só tenho intêligencia.
Charles deen:
- eu digo me deixa fazer isso.
Matilda:
- você é corajoso isto admito mas falta inteligência.
charles deen:
- quando vamos procurar a terceira pessoa.
matilda:
- quando se acalmar.
Charles deen:
- sabe uma coisa que ele me falou?
Matilda:
- não.
Charles deen:
- ele me disse que era a evolusão.
matilda:
- sério?!
Charles deen:
- eu não estou brincando.
matilda:
- então estamos regredindo na escala evolucionária.
no dia seguinte a matilda e Charles deen foram para onde estava a multidão, tinha muitas pessoas a matilda não conseguia localizar onde estariam os "filhos da luz", os dois sairam procurando onde estava eles ficavam andando na multidão procurando, pelo menos uma pessoa dos"filhos da luz" até que localizaram.
matilda:
- você concorda com a libertação de Saimon Becker?
todos ficavam dizendo "sim" até que encontrou uma pessoa de cabelos longos e barba preta, que estava usando a camisa.
matilda:
- você é um légitimo filho dele?
a pessoa:
- sim.
Matilda:
- ola, eu sou matilda.
a pessoa:
- eu sou Ben.
Matilda:
- ola Ben.
Ben:
- ola.
Matilda:
- podemos sair daqui para conversarmos direito?
Ben:
- concordo.
todos eles sairam da multidão.
Matilda:
- prescisarmos de uma pessoa que possa discurçar na frente deles.
Ben:
- do que você quer que eu fale?
Matilda:
- de todo mal que ele representa.
Ben:
- isto eu posso ajudar.
Matilda:
- muito obrigada.
Ben:
- ele pode até ser uma pessoa escolhida por deus, mas isto não é desculpa de machucar outra ser humano.
Matilda:
- primeiro eu quero que você me confirme se você é mesmo um dos "filhos da luz".
Ben:
- o que você quer que eu faça?
Matilda:
- mostre qual é o seu poder.
o Ben leventar as mãos de repente as nuvens começam a ficar escuras, e começou a chover.
Matilda:
- impressionante.
Ben:
- obrigado.
Charles deen:
- eu não me apresentei eu sou Charles deen.
Ben:
- qual é o seu poder?
Charles deen:
- o meu poder é de congelar.
Matilda:
- e de fazer coisas idiotas!
Charles deen:
- pare com isso.
Matilda:
- o que foi estar com raiva!
o Ben da risada.
Charles deen:
- podemos continuar.
Matilda:
- a frescas com a sua cara, vou fazer isso isto sempre.
Ben:
- parem vocês estão me matando!
Charles deen:
- podemos discurti o plano.
Matilda:
- não reparem nele ele sempre estar mal humorado.
Ben:
- você tem que aprender a relaxar cara.
Charles deen:
- olha vamos nos concentrar no que importa.
Matilda:
- na verdade á unica coisa que importa é o que o juri vai pensar.
Charles deen:
- este desgraçado não pode sair da prisão.
Matilda:
- você estar certo.
Charles deen:
- a opinião publica tem que valer e muito agora.
Matilda:
- por enquanto o nosso plano se limitar em você falar alguma coisa na frente deles.
ben:
- vocês acham que eu vou conseguir convencer as pessoas de algo?
Matilda:
- nós bem que estamos contando com isso.
Ben:
- mas e os nossos irmão quem vai conseguir deter eles se todos eles ficaram com raiva de min?
Matilda:
- não tenha medo nós vamos lhe proteger.
Ben:
- não importa quanto vocês sejam fortes duvido que vocês vão conseguir deter todos eles.
Matilda:
- se você falar alguma coisa que deixou eles irritados, fale alguma outra coisa para acalmar-los.
Ben:
- vocês dão conta do douglas.
Matilda:
- aquele douglas não pode contra nós três.
Charles deen:
- você quer fazer isso ou não.
Ben:
- eu quero ajudar, quem podera dizer que aqueles ciêntistas vão poder deter-los.
Matilda:
- se o problema fosse só isso.
Charles deen:
- o que você quer dizer com isso?
Matilda:
- o problema de verdade não vai ser se ele vai sair da prisão ou não, o grande problema são os nosso irmãos, eles estão disposto a soltar ele de uma maneira ou de outra.
Charles deen:
- os ciêntista não podem tirar ele de lá.
Matilda:
- o caso do ciêntistas é o de menos, o temos que tirar a idéia dos nossos irmão de libertá-los de uma maneira ou de outra.
Charles deen:
- eu não acredito que eles querem liberta um estrupador.
Matilda:
- lembrar-se na cabeça dos nos irmãos ele é uma éspecie de deus.
Ben:
- e não é só o nossos irmãos.
Matilda:
- tem razão os normais, tambem ver ele como um deus.
Ben:
- eu até vi alguns normais fazendo bandeiras planejando liberta ele.
Charles deen:
- o que?
Ben:
- é a primeira vez que alguem ouve historia de um ser humano com poderes de verdade.
Matilda:
- só devemos nos concentrar nos nossos irmãos.
ben:
- você acha que a gente não deve nos preocupar com os normais.
Charles deen:
- não estou gostando muito de mencionar que os outros como "normais"
Matilda:
- "os que não são nossos irmaos" prefere este termo?
Charles deen:
- "os sem poderes".
Matilda:
- vamos deixar como o termo"normais" para encurta a converça.
Charles deen:
- ok.
Matilda:
- mas alguma reclamação?
Charles deen:
- não.
Matilda:
- onde eu estava?
Ben:
- dizendo que o grande problema são os nossos irmãos.
Matilda:
- os normais não tem como tirar o nosso pai a força, mas já os nossos irmãos.
Ben:
- você não ver uma falha nisso.
Matilda:
- qual?
Ben:
- de uma maneira ou outra vamos ter que enfrentar o douglas.
Matilda:
- tem razão ele vai querer batalhar.
Chales deen:
- temos que fazer ele mudar de idéia.
Matilda:
- é um cabeça durar muda de idéia fácil!
Charles deen:
- é termos que enfrentar-lo.
Matilda:
- você se lembrar que ele derrotou com uma porrada.
Chales deen:
- caro que eu me lembro.
Matilda:
- eu sou do tipo covarde não sou muito de enfrentar batalhas.
Chales deen:
- eu enfrento ele.
Matilda:
- você não tem como vercer ele.
Charles deen:
- me der essa chance.
matilda:
- caso você não tenha percebido, eu estou querendo resolver tudo pacificamente.
Charles deen:
- mas uma batalha é inévitavel.
Matilda:
- meu deus você parece ser pior do que o douglas.
Charles deen:
- ao menos não estou querendo tirar ele da cadéia.
Matilda:
- isto não exclui, que você seja pior do que ele.
Charles deen:
- não gosto desta comparação.
Matilda:
- se você não gosta então é melhor se acalmar.
Charles deen:
- ok.
ainda estavamos discurtindo, quando vi o douglas perto da janela, fui até ele.
Charles deen:
- ei douglas.
Douglas:
- o que você quer?
Charles deen:
- não acredito que você queira liberar aquele desgraçado.
Douglas:
- o "desgraçado" que você estar falando é o nosso pai.
Charles deen:
- me recuso que aquilo me chame de pai.
Douglas:
- eu espero que você controle esse seu temperamento.
Charles deen:
- o que você vai fazer se eu não me controlar?
Douglas:
- o que qualquer irmão faria se o outro não estar se comportando.
douglas dá um soco no Charles fazendo com o impacto do soco fazendo com que o chales tacar-se na parede, douglas chegou perto dele, pego-o ficou tacando na parede várias e várias vezes, cheles segurou os pés de Douglas e congelou eles na primeira oportunidade ele conseguiu sair.
Douglas:
- eu não entendo você.
Charles deen:
- o que foi?
douglas:
- você é muito na ofensiva mas seus poderes são defencivos, você devia ficar para no seu canto.
douglas conseguiu sair de onde estava congelado.
Douglas:
- você só sabe fazer isso.
chales lançou raios congelantes fazendo congelar todo o corpo menos a cabeça.
Charles deen:
- basicamente sim.
Douglas:
- você estar sendo um pérsimo irmão.
Charles deen:
- é eu adimito sou um pérssimo irmão.
Douglas:
- por que você não concorda com migo e liberta o nosso pai.
Charles deen:
- eu posso ser um terrível irmão mas ele é uma perssima pessoa.
Douglas:
- ele estava fazendo um favor a humnanidade.
Charles deen:
- não vejo o que ele fez como um favor para humanidade.
Douglas:
- eu ainda tenho que te ensinar muito irmão.
douglas quebrou o gelo.
Douglas:
- você tem que ver ele fez um bem para eles.
Charles deen:
- estrupar pessoa nunca será um ato bom.
Douglas:
- sua mente estar poluida.
Charles deen:
- minha mente estar tão clara como o dia.
Douglas:
- num dia tempestuoso.
Ben:
- então é aqui você estar.
Charles deen:
- você não de vinha vim aqui Ben.
Ben:
- o que e deixar você tendo uma converça amigavel com ele.
Cahrles deen:
- você estar correndo perigo.
Douglas:
- você é amigo deste idiota.
Ben:
- do jeito como ele aje eu não quero ser muito amigo dele.
Douglas:
- pelo que estou vendo ele cita o seu nome.
Ben:
- eu não sou amigo dele mais apoio ele.
Douglas:
- Você deveria se afastar.
Ben:
- só para você saber eu tambem sou um desses "filhos da luz"
Douglas:
- é sempre muito bom conhecer um irmão.
Ben:
- deixe ele ir.
Douglas:
- você vai controlar ele ?
Ben:
- farei o possível.
Charles deen:
- o que você estar fazendo enfrente este desgraçado.
Douglas:
- você vai me enfrentar?
Ben:
- conheço os seus poderes e saiba que os meus poderes também não são fracos, que isto fique bem claro.
Douglas:
- então venha.
Ben:
- estou falando isso para evitar a briga.
Charles deen:
- não seja covarde.
Ben:
- eu não faço nada que este garoto manda.
Douglas:
- você, Ben, deveria cuidar deste pirralho para ele não sair da linha de novo, eu fui bem claro.
Ben:
- sim, você pode sair daqui com calma que eu lhe garanto que nada vai acontecer com vocês.
Douglas:
- ok.
Douglas saiu andando o Ben vai caminhando perto do charle, como o charle não aparenta está bem.
Ben:
- você é maluco.
Charles deen:
- temos que acabar com isso logo, matar ele é uma forma disso.
Ben:
- faça isso e ele se torna um Martirin para eles piorando ainda mais as coisas.
Charles deen:
- você tem razão.
Ben:
- vamos voltar.
Charles deen:
- ok.
matilda:
- você só pode estar brincando comigo.
Charles deen:
- você tinha que falar para ela.
Ben:
- eu tenho que falar para elatoda vez que você ajir como louco.
matilda:
- se você morrer-se.
Charles deen:
- eu sei poderia estrgar tudo.
matilda:
- você só seria uma pessoa a menos no nosso grupo.
Charles deen:
- você estar dizendo que eu não sou importante para o nosso grupo.
Matilda:
- ainda bem qe você entendeu.
Charles deen:
- eu sou importante para turma tanto quanto você.
Matilda:
- que pena que ele não te matou.
Ben:
- vocês dois tem que se acalmar.
Matilda:
- eu tinha que me juntar com a pessoa mais raivosa entre os nosso irmãos.
Ben:
- se acalmen.
Matilda:
- eu estou calma, é ele que é o raivoso.
Charles deen:
- eu devia.
Ben:
- você não devia nada.
Charles deen:
- eu vou me acalmar.
Matilda:
- mas pelo amor de deus se acalme de vez.
Charles deen:
- eu vou tentar o máximo.
Matilda:
- deveriamos tirar você do grupo.
Charles deen:
- do que você estar falando.
Matilda:
- estes seus ataques de raiva podem estragar tudo.
Ben:
- ela tem razão cara.
Charles deen:
- VOCÊS ME QUER FORA DO GRUPO TAMBEM?
Ben:
- pelo amor de deus se acalme.
Charles deen:
- ok, vou me acalmar.
Matilda:
- próximo ataque você estará fora do grupo.
Ben:
- você tem algum plano que queira fazer em seguida.
Matilda:
- tenho.
Ben:
- charle você estar pronto?
Charles deen:
- sim.
os dias que se seguem o Ben fez discurços na frente dos "os filhos da luz" Ben e Douglas estavam dispurtando para ver quem teria mais empartia pelo publico a discurção foi seguindo durante dias, até o dia do jugamento, todos ouviram na televisão o juiz.
Juiz:
- conscidero o perdido dos ciêntistas podem colocar-lo para fazer os estudos nele.
a opinião das pesssoas estavam divididas.
douglas:
- vamos liberta o nosso pai.
ouve uma confusão na plateia estavam discurtindo se iria liberta ele ou não nesse momento começou a briga entre irmãos.
Charles Deen:
- ei Douglas.
charles foi enfrentar douglas, o douglas enfiou a mão no peito de charle fazendo com que ele caia no chão, uma nevoa apareceu, douglas ficava tentando ver o que estava acontecendo.a Matilda encostou no Douglas, e com o poder dela estava fazendo com o corpo de Douglas comerçar-se a tremer, ela fez isso até o ceréblo dele fosse destruido por dentro causando a morte dele, ela depois disso foi para perto de Charle, ela estava em lagrimas.
Charles deen:
- o que vai acontecer agora?
Matilda:
- eu não sei.
Charles deen:
- eu não estou aguentando.
Matilda:
- sabe o que eu falei antes que você não erá importante, eu menti você é.
Charles deen:
- obrigado por dizer isso, e foi bom te conhecer.
Matilda:
- por favor não.
Naquele momento morreu o Charle, o esperimento feitos no Saimon faz com que algumas pessos tiver-sem super-poderes, e vários herois nasceram.

FIM

Nenhum comentário: