sexta-feira, novembro 23, 2012

Quebrando o espelho: numero:04

(cena)
Victor e Daniel estavam andando por uma estrada empoeirada.
victor:
- você acha que ela se escondeu um um desses locais.
(cena)
Eles vem uma casa em poeirada e com rachaduras.
Daniel:
- só espero que ela esteja bem.
(cena)
os dois entraram na casa.
Victor:
- TAMIRYES.
(cena)
o Daniel ver o reflexo dele perguntando o que você esta fazendo?
Daniel:
- o que estou fazendo, estou procurando a tamiryes.
Victor:
- com quem você esta falando?
Daniel:
- com o espelho.
Victor:
- estou falando sério.
Daniel:
- eu me refiro a pessoa do outro lado do espelho.
Victor:
- isso tudo é muito confuso para min.
Daniel:
- para min.
(cena)
O Daniel saiu do local.
Victor:
- o que você esta fazendo?
(cena)
Victor pega o Daniel pelo braço.
Victor:
- o que você esta fazendo?
Daniel:
- ela não estar nesse local.
Victor:
- como você sabe que ela não esta lá.
Daniel:
- porque o meu reflexo, me disse que ela não estava lá.
Victor:
- como assim.
Daniel:
- nós não somos os únicos a procura da sua filha.
(cena)
O Victor ver o reflexo da tamiryes, numa vidraça de loja que estava toda empoeirada.
victor:
- filha.
(cena)
ele fica olhando ao redor.
Victor:
- onde ela esta?
(cena)
o Daniel estava limpando com a mão a vidraça.
Victor:
- FILHA, ONDE VOCÊ ESTA?
Daniel:
- olhe.
(cena)
ele fica apontando para a vidraça.
Victor:
- o que foi?
Daniel:
- olhe para o vidro.
(cena)
no reflexo a rua estava limpa, e onde estavam esta todo empoeirado.
Daniel:
- na dimensão deles o prédio não caiu.
Victor:
- este mundo esta cada vez mais louco.
Daniel:
- no caso seria esses mundos.
(cena)
ele sentem a terra tremer.
Victor:
- o que esta havendo?
Daniel:
- não de novo.
(cena)
a rua estava começando a se rachar
Daniel:
- temos que correr.
Victor:
- para onde?
Daniel:
- qualquer caminho menos nessa rua.
(cena)
a rua estava se rachando cada vez mais.
Daniel:
- vamos.
(cena)
Os dois estavam correndo.
Daniel:
- não pare de correr.
(cena)
a rua caiu.
Daniel:
- droga.
(cena)
Daniel cobriu a cabeça com o braço.
Victor:
- estou odiando esse dia.
(cena)
a fumaça vai na direção dele.
Daniel:
- merda.
(cena)
ele cobra a boca com a camisa.
Victor:
- que esse dia acabe rápido.
(cena)
a fumaça passou.
Daniel:
- finalmente.
(cena)
ele se levanta e vai na direção de Victor.
Daniel:
- o senhor está bem?
Victor:
- sim.
(cena)
os dois estavam andando.
Victor:
- mas o que esta acontecendo.
(cena)
os dois olham para a rua destruída.
Victor:
- ainda bem sobrevivermos a essa.
(cena)
o Daniel ver o reflexo dele em uma tv dando sinal de positivo.
Daniel:
- estamos bem.
(cena)
ele balançou a cabeça positivamente.
Daniel:
- vamos.
(cena)
Daniel ver uma sombra no outro lado da rua.
Daniel:
- estou vendo alguém?
Victor:
- é ela.
Daniel:
- não sei, não dar para ver direito.
Victor:
- tomara que seja.
(cena)
ele ver e a Tamiryes
Daniel:
- é, é ela.
Victor:
- finalmente.
(cena)
Daniel fica na beirada da rua.
Daniel:
- OLA.
(cena)
ele ficava balançando o braço.
Daniel:
- vamos me veja.
(cena)
ela acena para ele.
Daniel:
- ela nos viu.
(cena)
o Alan aparece perto dela.
Daniel:
- graças a deus que os dois estão bem.
(cena)
ele viu que o Alan estava falando alguma coisa só que ele não estava ouvindo.
Daniel:
- o que sera que ele esta dizendo?
Victor:
- não importa vamos até lá.
Daniel:
- tem razão.
(cena)
ele encosta o pé numa rachadura da beirada.
Daniel:
- o que?
(cena)
o Daniel sentiu um choque terrível.
Daniel:
- que...
Victor:
- o que foi que aconteceu garoto.
Daniel:
- não sei.
(cena)
ele se afasta da beirada.
Daniel:
- acho que eu tomei um choque.
(cena)
Ele ver ele mesmo, no reflexo de um espelho do bar perto, ele caído, sendo ajudado pelos outros.
Daniel:
- opa.
Victor:
- como assim, opa?
Daniel:
- não foi só aqui que eu levei o choque.
victor:
- como assim?
Daniel:
- o outro eu também levou um choque.
(cena)
ele passa a mão na cabeça.
Daniel:
- isso não devia esta acontecendo?
Victor:
- tudo isso não devia estar acontecendo.
Daniel:
- eu digo nós ainda estamos interligados.
Victor:
- isso é bom ou ruim?
Daniel:
- isso não faz sentido.
Victor:
- igual a tudo que acontece.
Daniel:
- mas tudo que acontece, esta acontecendo por que nossas conexões estão se destruindo.
Victor:
- me parece que você tem isso como certeza.
Daniel:
- a explicação lógica você não vai gostar.
Victor:
- como assim.
Daniel:
- acho que tudo estar acabando.
Victor:
- concordo não gosto disso.
(cena)
ele olha para a Tamiryes e o Alan.
Daniel:
- temos que contar para eles a boa noticia.
Victor:
- se chegamos perto dessa rua podemos tomar um choque.
Daniel:
- concordo.
(cena)
Daniel fica apontando para a esquerda.
Daniel:
- temos que ir no começo da rua.
(cena)
A Tamiryes e o Alan balançaram a cabeça positivamente.
Daniel:
- vamos.
(cena)
os dois começaram a andar.
Victor:
- não acredito que ela esta tão perto.
Daniel:
- tanto quanto a dimensão espelho.
Victor:
- acredita mesmo que o mundo esta acabando.
(cena)
Daniel ver raio indo e vindo no céu.
Daniel:
- acredito que tudo vai ser destruído.
Victor:
- espero que você esteja errado.
Daniel:
- eu também.
(cena)
um raio caiu perto deles.
Victor:
- essa foi perto.
Daniel:
- temos que continuar andando.
Victor:
- você acha que nos devemos nos proteger.
Daniel:
- se esse universo vai ser destruído, nada do que podemos fazer vai nos salvar.
Victor:
- como ela pode fica com alguém tão otimista?!
Daniel:
- estou apavorado.
Victor:
- tente manter a calma.
(cena)
o Daniel dar uma risada.
Victor:
- do que você esta rindo.
Daniel:
- estou enfrentando algo que nunca vi na minha vida, pelo menos me der esse direito de não fica calmo por pelo menos um segundo.
(cena)
ele começa a chorar.
Daniel:
- tudo isso me deixa morrendo de medo.
Victor:
- pelo menos pense por um lado.
Daniel:
- qual?
Victor:
- você não esta passando por essa merda sozinho.
(cena)
o Daniel ver a Tamiryes.
Daniel:
- você tem razão.
(cena)
Victor dar um tapa na cabeça de Daniel.
Daniel:
- por que você fez isso.
Victor:
- eu quero que você se recomponha.
Daniel:
- ok.
Victor:
- de nada adianta fica maluco.
(cena)
Daniel passa a mão na cabeça.
Victor:
- de nada adianta fica louco nesse mundo louco.
(cena)
os dois começam a andar.
Daniel:
- eu sei que você tem razão.
(cena)
Daniel olha para a Tamiryes.
Daniel:
- você não sabe o desespero, em não saber se eu e ela vamos ter um futuro.
Victor:
- do que você esta falando?
Daniel:
- dela e eu tivermos algo mais sério no futuro.
Victor:
- não se preocupe com isso.
Daniel:
- por que?
Victor:
- vocês ainda estão na escola.
Daniel:
- pode não ter um tempo depois do colégio.
Victor:
- você se preocupa demais.
Daniel:
- eu penso demais nas coisas.
Victor:
- tente pensar menos.
Daniel:
- vou tentar fazer isso.
(cena)
o Daniel para.
Victor:
- o que foi?
Daniel:
- veja pelo espelho desse bar.
Victor:
- eu sei estamos sem reflexo.
Daniel:
- não é isso.
(cena)
ele ver que no reflexo de onde eles estão a rua esta destruída.
victor:
- mas...como?
Daniel:
- parece que na outra dimensão a rua foi destruída.
Victor:
- ainda estou confuso com todo esse negócio de dimensão.
Daniel:
- deixa que eu explico...
Victor:
- não se preocupe eu não quero explicação.
Daniel:
- ok.
Victor:
- só quero que tudo isso acabe logo.
Daniel:
- tenho medo que isso acabe.
Victor:
- por que?
Daniel:
- ou tudo vai voltar ao normal, ou tudo será destruído.
Victor:
- eu disse manter o pensamento positivo.
Daniel:
- eu vou tentar o máximo.
Victor:
- não tente consiga.
(cena)
ele ver uma pessoa se batendo na parede, andando em direção a ela.
Victor:
- que idiota.
Daniel:
- o que você falou?
Victor:
- aquele idiota andando em direção a parede.
Daniel:
- devemos correr agora.
Victor:
- por que?
Daniel:
- você sabe aquele choque que você sentiu antes, junto com a vontade de vomitar.
Victor:
- sim.
Daniel:
- nem todos se saíram bem.
(cena)
Daniel começa a andar mais rápido.
Daniel:
- temos que correr antes que ele note a gente.
Victor:
- se você esta dizendo!
(cena)
a pessoa nota eles.
Daniel:
- temos que correr.
Victor:
- esta bem!
(cena)
ele corre na direção dos dois.
Victor:
- merda.
Daniel:
- vamos.
Victor:
- tem algum plano para se livrar dele.
Daniel:
- correr por enquanto esta me parecendo uma boa ideia.
Victor:
- não podemos ir com ele para perto da minha filha.
Daniel:
- tem razão.
(cena)
a pessoa estava chegando perto deles.
Victor:
- merda.
Victor:
- espera.
(cena)
Victor para e dar um soco na pessoa.
Victor:
- por que eu deveria ter medo dele.
(cena)
a pessoa continua a ir atrás deles.
Daniel:
- ele não sente dor.
Victor:
- o que?
Daniel:
- a mente dele esta toda destruída, por isso ele não sente dor.
Victor:
- por que não me disse isso antes.
(cena)
Victor e Daniel começaram a correr de novo, Daniel olha para o lado.
Daniel:
- eu tive uma ideia.
Victor:
- qual?
(cena)
Daniel olha para o lado e corre para um lado, a pessoa vai na direção dele.
Victor:
- esse é o seu plano.
Daniel:
- não ainda falta uma coisa.
(cena)
ele vai na direção da rua, e quando chegou na beirada pulou.
Daniel:
- que a outra versão sua me desculpe.
(cena)
a pessoa pisa na rachadura da beirada da estrada e leva um choque, a pessoa cai na hora.
Daniel:
- isso.
(cena)
o Daniel pula se afastando da estrada.
Victor:
- vamos continuar.
Daniel:
- sim.
Victor:
- ainda bem que você se saiu bem.
Daniel:
- graças a deus que deu certo.
Victor:
- concordo.
(cena)
Tamiryes e Alan estavam correndo.
Daniel:
- ola Amor, e oi Alan.
Alan:
- CORRAM.
(cena)
Dois cachorros estavam indo em direção a eles.

quarta-feira, novembro 14, 2012

Quebrando o espelho: numero:03

(cena)
muitas aves estavam entrando na lanchonete
Daniel:
- abaixa.
(cena)
um das aves ficava bicando a cabeça de Daniel.
Daniel:
- pare com isso maldito.
(cena)
ele deu um tapa na ave
Daniel:
- eu disse para você parar.
(cena)
outras duas aves estavam bicando a cabeça de Daniel
Daniel:
- VAMOS SAIR DAQUI PELO AMOR DE DEUS.
(cena)
o Daniel ficava mechendo o braço no ar
Daniel:
- saiam seus malditos.
Alan:
- o Daniel tem razão vamos.
(cena)
o Daniel, Alan e Tamiryes estavam correndo, e algumas aves estavam bicando eles.
Daniel:
- parem com isso.
(cena)
Alan ver que tem uma praia por perto.
Alan:
- vamos para o mar.
Tamiryes:
- boa ideia.
(cena)
os 3 estavam correndo e as aves estavam atrás deles.
Daniel:
- corre, corre, corre.
(cena)
os 3 entram na água, eles fazem sinal de positivo com a mão, depois eles continuam nadando, eles saíram da água.
Daniel:
- finalmente.
(cena)
Alan fica olhando para cima.
Alan:
- as aves ainda estão perto.
Daniel:
- temos que correr.
(cena)
as aves então indo na direção deles.
Alan:
- corram.
(cena)
os 3 começaram a correr.
Tamiryes:
- para que direção.
Daniel:
- qualquer uma menos na direção deles.
(cena)
ele vêem o corpo da pessoa que se matou.
Alan:
- tive uma ideia.
(cena)
Alan pega arma da pessoa que se matou.
Alan:
- espero que isso der certo.
(cena)
o Alan fica atirando nas aves
Alan:
- se afastam malditos.
(cena)
as aves finalmente se afastam.
Daniel:
- finalmente.
(cena)
Alan senta no chão
Alan:
- não estou aguentando mais esse dia.
Daniel:
- também.
Tamiryes:
- vamos para um lugar tranquilo.
Alan:
- o lugar pode ser tranquilo.
(cena)
alan se levanta.
Alan:
- mas o caminho pode não ser nada tranquilo.
Daniel:
- qualquer lugar que a gente vá pode ser perigoso.
Alan:
- e principalmente as pessoas pensando que este é o fim do mundo.
Daniel:
- nós também achamos isso.
Alan:
- mas não estamos em pânico total.
(cena)
o Alan começa a andar.
Alan:
- vamos para a minha casa.
Daniel:
- vamos.
(cena)
eles estavam andando na cidade
Daniel:
- não podemos fica parados temos que correr.
Tamiryes:
- concordo.
(cena)
eles vem uma pessoa se batendo na parede.
Tamiryes:
- este deve estar muito chapado.
(cena)
o homem ficava gritando.
Tamiryes:
- muuuito chapado.
Daniel:
- de qualquer jeito é melhor não chamar a atenção dele.
Tamiryes:
- concordo.
(cena)
Alan esbarra uma lata no chão
Alan:
- merda.
(cena)
o homem olhou para eles, estava com os olhos revirados, e estava barbando.
Daniel:
- merda.
Alan:
- sabe de uma coisa você tinha razão.
Daniel:
- com o que?
Alan:
- que nós devíamos correr.
(cena)
a pessoa vai atrás deles
Daniel:
- corram.
(cena)
os 3 estavam correndo
Daniel:
- pelo amor de deus atira nele.
Alan:
- mais isso é assassinato.
Daniel:
- ele é um zumbi agora.
Alan:
- eu não acho certo.
Tamiryes:
- FAÇA ALGUMA COISA PELO AMOR DE DEUS.
Alan:
- ok.
(cena)
o Alan aponta a arma.
Daniel:
- atira.
(cena)
o Alan corre
Daniel:
- o que você esta fazendo.
Alan:
- eu não se eu devo marta-lo.
Tamiryes:
- atire logo pelo amor de deus.
Daniel:
- se não quer mata-lo atire na perna pelo menos.
Alan:
- ok.
(cena)
Alan fica parado
Alan:
- parado.
(cena)
quando o Alan vai atirar ele esculta um clique.
Alan:
- ou droga.
Tamiryes:
- Você ESTA DE BRINDEIRA.
Alan:
- eu não tenho culpa.
Daniel:
- só faltava essa a arma esta sem balas.
(cena)
eles entram em uma porta
Daniel:
- vamos.
(cena)
Daniel fecha a porta que é vidro.
Daniel:
- espero que ela seja resistente.
Tamiryes:
- onde estamos?
(cena)
eles percebem que estão em uma locadora
Daniel:
- uma locadora de filmes.
(cena)
eles vêem um homem com cabelo longo e preto, barba preta,pele branca, com camisa escrita "aluga aqui" com uma certa vermelha, apontando para cima com calça curta, ele com os braços para frente.
pessoa:
- não me machuque.
Alan:
- nós vinhemos em paz.
pessoa:
- eu sou Steve que são vocês.
Alan:
- eu sou Alan, e eles são Daniel e Tamiryes.
Steve:
- ola para vocês.
Tamiryes, Alan e Daniel:
- ola.
Alan:
- tem mais alguém aqui?
Steve:
- estou só eu aqui.
Alan:
- certo.
(cena)
o homem louco estava batendo na porta de vidro.
Steve:
- meu deus o zumbis estão dominado.
Alan:
- pelo menos ele esta fora.
Steve:
- me diga esses zumbis são rápidos como no filme "madrugada dos mortos".
Alan:
- não creio que sejam zumbis.
Steve:
- então o que é aquilo.
Alan:
- alguém com a cabeça muito danificada.

Daniel:
- você acha que essa porta aguenta?
Steve:
- tenho certeza que sim.
(cena)
a pessoa ficava batendo na porta.
Tamirys:
- finalmente descanso.
(cena)
a pessoa estava batendo e o vidro estava se rachando.
Tamiryes:
- eu não posso descansa.
Daniel:
- ainda tem certeza sobre o vidro aguenta?
Steve:
- não tenho mais tanta certeza.
Alan:
- você tem alguma coisa para se defender.
Steve:
- no balcão tem um bastão.
Alan:
- ótimo.
(cena)
a pessoa estava batendo no vidro e quebrando ele.
Daniel:
- de pressa pessoal.
Steve:
- por que fui ao trabalho hoje.
(cena)
a pessoa estava conseguindo atravessa a porta de vidro.
steve:
- achei.
(cena)
Steve pega o bastão e fica na frente da pessoa
Steve:
- tem certeza que não são zumbis.
Alan:
- tenho certeza.
(cena)

a pessoa entra na locadora
Steve:
- saia daqui.
(cena)
a pessoa vai na direção de Steve
Steve:
- eu disse...
(cena)
ele ataca com o bastão na cabeça da pessoa
Steve:
- saia daqui.
(cena)
Daniel da um tapinha no ombro de Steve
Daniel:
- muito bom cara.
Steve:
- se não é zumbi, o que é que esta havendo?
Alan:
- você já olhou no espelho.
Steve:
- o que foi, estou com a aparência horrível.
Alan:
- não é isso.
Steve:
- então o que?
Alan:
- acredite quando você ver você vai saber.
Steve:
- se você esta dizendo.
(cena)
Steve olha no espelho e não ver o seu reflexo
Steve:
- meu deus.
Alan:
- pois é todo mundo...
Steve:
- virou vampiro.
Alan:
- o que?
Steve:
- eu não tenho reflexo.
Alan:
- você sabe da teoria que quando estamos vendo um espelho estamos vendo um outro mundo.
Steve:
- conheço.
Alan:
- pois isso é verdade.
Steve:
- não pode ser.
Alan:
- é isso que esta havendo.
Steve:
- é impossível.
Tamiryes:
- mas uma invasão de zumbis é bem plausível, não é!
Steve:
- tem razão.
(cena)
o reflexo de Steve aparece fumando maconha na frente do espelho
Steve:
- meu deus é verdade.
Alan:
- é o que a gente estava dizendo.
Steve:
- aproposito eu não fumo maconha.
Alan:
- não quero ser rude, mas o universo pode esta acabando...
Steve:
- entendo isso não importa agora.
(cena)
Steve olha para a locadora
Steve:
- mas tem tanto filme que ainda não vi.
Alan:
- se acalma pode não ser de imediato.
Steve:
- você esta sabendo de algo?
Alan:
- só algumas teorias.
Steve:
- você acha que o governo pode esta envolvido nisso.
Alan:
- neste momento acho que tudo é possível.
Steve:
- não aguento isso.
(cena)
o Steve vai até o balcão
Steve:
- onde esta ela.
(cena)
ele pega um baseado
Steve:
- finalmente.
Alan:
- boa sorte.
(cena)
o Alan fica perto da porta
Steve:
- para vocês também.
(cena)
Alan, Daniel e Tamiryes saíram da loja
Daniel:
- tomara que não apareça outro zumbi.
Alan:
- ele não erá um zumbi.
(cena)
o lugar todo estava tremendo
Daniel:
- corram.
(cena)
os 3 estavam correndo
Daniel:
- vamos.
(cena)
os três caíram por causa do tremor
Daniel:
- droga.
(cena)
Daniel olhou para a Tamiryes
Daniel:
- você esta bem.
Tamiryes:
- sim.
Alan:
- temos que continuar andando.
(cena)
o tremor parar
Daniel:
- vamos.
(cena)
eles vem um prédio grande sendo rachado
Daniel:
- se ele cair.
Alan:
- corram.
(cena)
o prédio estava caindo
Daniel:
- vamos.
Tamiryes:
- estou correndo.
(cena)
o prédio caiu
Daniel:
- droga.
(cena)
os escombros e fumaça foram na direção deles
Alan:
- droga.
(cena)
a fumaça cobre todos eles.
Daniel:
- merda.
(cena)
ele continuou correndo, até finalmente conseguir sair da fumaça.
Daniel:
- pessoal.
(cena)
ele olha para um lado para o outro
Daniel:
- cadê vocês.
(cena)
ele ver o Victor o pai da Tamiryes
Daniel:
- Victor.
Victor:
- Daniel.
(cena)
Victor vai na direção de Daniel
Victor:
- você sabe se a minha filha esta bem.
Daniel:
- eu não.
Victor:
- ela foi morta pelo ônibus.
(cena)
Victor começa a chorar
Daniel:
- o ônibus não atingiu ela.
Victor:

- você tem certeza disso?
Daniel:
- tenho.
Victor:
- você sabe onde ela esta?
Daniel:
- não sei onde ela esta?
Victor:
- mais ela estava com você?
Daniel:
- ela estava.
Victor:
- e então...
Daniel:
- me perdi dela quando o prédio estava caindo.
Victor:
- temos que procurar por ela.
Daniel:
- concordo.
Victor:
- faz ideia onde procurar.
Daniel:
- ela deve ter entrado uma das lojas.
Victor:
- vamos.
Victor:
- filha esteja bem.
Daniel:
- onde é que você esteja, esteja bem.
(cena)
os dois andando em um caminho de poeira e destroços.

segunda-feira, novembro 12, 2012

Quebrando o espelho: numero:02

(cena)
o lugar estava tremendo.
Daniel:
- vamos de baixo de uma mesa.
Tamiryes:
- acha que pode nos salvar.
Daniel:
- do fim do mundo não, mas se um terremoto talvez.
(cena)
os dois ficaram em baixo de uma mesa.
Tamiryes:
- estou com medo.
Daniel:
- eu estou apavorado.
(cena)
um jarro caiu
Tamiryes:
- você não parece apavorado.
Daniel:
- é que um pensamento me tranquiliza.
Tamiryes:
- que pensamento?
Daniel:
- estou enfrentando o fim do mundo mas estou do seu lado.
(cena)
ela abraça ele.
Tamiryes:
- eu te amo.
Daniel:
- tabem te amo.
(cena)
um espelho cai em pé.
Daniel:
- como será que os outros estão se saindo.
(cena)
ele ver no espelho ele embaixo da mesa chorando, e a Tamiryes ao lado tentando acalmar ele.
Daniel:
- que idiota.
Tamiryes:
- o que foi?
Daniel:
- minha outra versão esta chorando.
Tamiryes:
- que bonitinho!
Daniel:
- ele podia aguentar que nem homem.
Tamiryes:
- todos tem o seu jeito de lidar com o fim do mundo.
Daniel:
- eu sei mas...
(cena)
ela abraça o braço dele
Tamiryes:
- você é o meu heroi.
(cena)
ele olha para cima.
Daniel:
- já é seguro sair daqui.
(cena)
os dois saiem de baixo da mesa.
Tamiryes:
- você acha que devíamos pesquisar no google.
Daniel:
- por que?
Tamiryes:
- para sabermos mais sobre isso.
Daniel:
- acho impossível.
Tamiryes:
- por que isso?
Daniel:
- se um negocio desses acontecer-se antigamente a humanidade saberia.
Tamiryes:
- mesmo assim, nós sempre tínhamos o pensamento que no espelho era um reflexo de outro mundo.
Daniel:
- ok.
(cena)
ela estava pesquisando no computador, e ele estava sentado na cadeira.
Tamiryes:
- impressionante.
Daniel:
- o que?
Tamiryes:
- eu já vejo na internet milhares de teorias.
Daniel:
- como sempre todas podem estar errada.
(cena)
o Alan bate na porta.
Tamiryes:
- vou ver quem é?
(cena)
ela sai do quarto.
Daniel:
- o que pode estar havendo.
(cena)
ele ver no espelho o Daniel do espelho com o papel escrito"faz alguma ideia do que esta acontecendo?".
Daniel:
- gostaria de saber?
(cena)
ele balança a cabeça negativamente.
Daniel:
- espero quando a resposta vinher que seja boa.
(cena)
Alan e Tamiryes entram no quarto.
Alan:
- acho que eu sei o que esta acontecendo.
(cena)
o Alan senta numa cadeira na frente deles.
Daniel:
- o que você acha que esta acontecendo?
Alan:
- imagine que isso que nós vivermos é um universo.
Daniel:
- ok.
Alan:
- imagine que existe várias versões diferentes dele.
Daniel:
- certo.
Alan:
- sem imaginamos que as outras dimensões, são muito diferente dessa tipo, você faz uma coisa nessa dimensão, e a sua outra versão faz outra.
Tamiryes:
- ele sabe do que você esta falando por que o reflexo dele estava chorando.
Daniel:
- sério?!
Tamiryes:
- sim, e...
Daniel:
- podemos continuar o assunto das dimensões.
Alan:
- ok, certo.
Tamiryes:
- ficou com vergonha?
Daniel:
- não.
(cena)
Tamiryes beija o Daniel no rosto.
Tamiryes:
- ficou sim!
Daniel:
- podemos continuar.
Alan:
- e se existir algo, uma dimensão espelho.
Daniel:
- dimensão espelho?
Alan:
- exato.
Daniel:
- ok.
Alan:
- e isso o que nós virmos a nossa vida inteira é uma outra dimensão.
Daniel:
- como não percebemos isso antes?
Alan:
- como eu falei dimensão espelho, eles fazem exatamente o que a gente faz cada detalhe, fazendo-o parecer que você realmente estava vendo o seu reflexo.
Daniel:
- mas como é possível ver eles pelos reflexos.
Alan:
- por que as nossas dimensões estão muito próximas umas das outras, tanto que conseguirmos ver eles pelos nossos próprios reflexos.
Daniel:
- e por que só agora percebemos isso, estou falando do fato de estarmos agindo diferente.
Alan:
- isso é o que me assusta.
Daniel:
- como assim?
Alan:
- e se isso for uma espécie de cataclísmica dimensional.
Daniel:
- o que você acha que pode esta acontecendo?
Alan:
- acho que esta acontecendo só isso de das dimensões não serem mais espelhos.
Daniel:
- só isso?!
Alan:
- sim.
Daniel:
- mais isso é uma grande coisa.
Alan:
- não pelo que eu acho o que esta por vim.
Daniel:
- como asimn?
Alan:
- isso pode ser a destruição dos dois universos.
Tamiryes:
- não pode ser.
Alan:
- estou só teorizando sobre o que esta havendo.
Daniel:
- espero que seja a opção mais leve.
(cena)
eles veem no espelho uma mensagem escrita no espelho, aquelas mensagens que a pessoa faz um barfo no espelho e escreve estava escrita"alguma teoria?".
Daniel:
- o que você acha que devemos dizer a eles a versão boa ou a ruim?
Alan:
- acho que as duas.
Daniel:
- ok.
(cena)
o Alan pega um papel e fica escrevendo.
Tamiryes:
- estou mais apavorada que antigamente.
Daniel:
- eu não estou tão calmo.
(cena)
o Alan mostra o que esta escrito no papel no espelho.
Tamiryes:
- como você acha que eles vão receber essa mensagem?
Daniel:
- muito mal provavelmente.
Daniel:
- outra coisa me veio em mente.
Alan:
- o que?
Daniel:
- e se esse for o maior tirar na sorte da historia?
Alan:
- como assim?
Daniel:
- e se só um de nossos universos for destruído.
Alan:
- por que acha isso?
Daniel:
- e se uma nova dimensão espelho esta de formando, e para ela se forma uma das dimensões vai ser destruídas.
(cena)
ele ver o Daniel e a Tamiryes abraçados e chorando.
Alan:
- parece que eles não receberam bem a noticia.
Daniel:
- como nessa dimensão eu sou um chorão.
(cena)
ele vêem o reflexo do Alan tirando eles dois do local.
Alan:
- o que aconteceu?
Daniel:
- por que ele estava assim.
(cena)
ele vêem um ônibus entrando na casa.
Daniel:
- de onde veio o ônibus?
(cena)
Alan corre pela janela.
Daniel:
- o que esta havendo?
Alan:
- eu sei bem o que esta acontecendo.
Daniel:
- o que?
Alan:
- CORRAM.
(cena)
Tamiryes, Daniel e Alan saiam da casa.
Tamiryes:
- o que esta havendo?
(cena)
um ônibus entra na casa destruindo.
Tamiryes:
- MEU DEUS.
(cena)
Ela tapa a boca com as duas mãos e fica chorando.
Tamiryes:
- não pode ser.
(cena)
ele abraça ela.
Daniel:
- tudo vai fica bem.
Alan:
- não podemos fica na rua.
Daniel:
- para onde vamos?
(cena)
um cara esbarra no Alan
Alan:
- cuidado cara.
(cena)
a pessoa de terno e gravata com cabelo curto e arrepiado aponta uma arma para ele.
Daniel:
- calma ai moço.
(cena)
ele aponta a arma para o Daniel:
pessoa:
- não se aproxime de min.
Daniel:
- ok.
(cena)
a pessoa se afasta
Daniel:
- graças a deus.
(cena)
a pessoa fica de joelhos
Daniel:
- e ai onde vamos.
(cena)
a pessoa coloca a arma apontada para a cabeça.
Daniel:
- ei, cara não faça isso.
(cena)
ele atira na cabeça.
Daniel:
- meu deus.
(cena)
A Tamiryes grita.
Daniel:
- por causa de um reflexo?
Alan:
- acho que não é por não ter mais reflexo que ele se matou.
Daniel:
- por que você acha?
Alan:
- acho que alguns estão pensando que só esta acontecendo com eles, então estão achando que estão ficando malucos.
Tamiryes:
- como vocês sabem que não é algo parecido com isso?
Alan:
- como assim?
Tamiryes:
- algum tipo de doença que esta se espalhando, que faz com que a gente pense que não esta vendo o nosso próprio reflexos.
Alan:
- simples.
Tamiryes:
- como?
Alan:
- por que nós relatamos de ver um evento no espelho que foi igual para todo mundo, como aquele ônibus entrando no reflexo primeiro.
Tamiryes:
- entendo.
Daniel:
- vamos para um shopping.
Alan:
- não é uma boa ideia no momento.
Daniel:
- por que acha isso.
Alan:
- por que não sabermos como todos estão reagindo a noticia, ir para um lugar com muita gente, pode ser muito perigoso para todo nós.
Daniel:
- então onde?
Alan:
- minha casa.
(cena)
ele vem uma ave caindo no chão
Daniel:
- e essa agora?
(cena)
outra ave caiu no chão
Alan:
- vamos sair daqui rápido.
(cena)
eles entram em lanchonete.
Daniel:
- o que esta havendo?
(cena)
muitas pessoas estão entrando na lanchonete.
Tamiryes:
- você disse que não deveríamos entrar num local com muitas pessoas?
Alan:
- sim, eu disse.
Tamiryes:
- e então.
Alan:
- nesse momentos não tínhamos opções.
Daniel:
- estamos em uma situação que nada pode ser planejado longo prazo é sempre a curto prazo.
Alan:
- entendo, tudo pode mudar rápido.
Daniel:
- temos que viver um momento de cada vez.
Tamiryes:
- meu namorado é tão inteligente.
(cena)
ela beija ele na boca.
Daniel:
- é eu sou!
Tamiryes:
- o que esta havendo com os animais?
Alan:
- simples.
Tamiryes:
- o que?
Alan:
- você sabe que antes de ver os nossos reflexos, nós sentimos algo, um choque, uma tontura e um desmaio, isso nos animais pode ter um outro efeito.
Daniel:
- pelo menos os animais não se preocupam com o reflexo.
Tamiryes:
- posso fazer uma pergunta?
Daniel:
- sim.
Tamiryes:
- como vocês bolaram todo esse negocio de dimensões e taus.
Daniel:
- nós gostamos de ler ficção-cientifica.
Tamiryes:
- sera que os animais vão fica normais?
Alan:
- isso eu não sei.
Daniel:
- tomara que os cachorros fiquem normais.
Alan:
- espero isso.
Daniel:
- por que se eles ficarem loucos, vai ser muita sorte nós chegamos vivos em casa.
Alan:
- uma duvida não para de vim na minha cabeça.
Daniel:
- qual?
Alan:
- quanto tempo termos.
Daniel:
- isso não dar como saber.
Alan:
- tudo isso pode se destruir rápido, ou muito lento.
Tamiryes:
- temos que pensa também e se tudo bem, só a gente vendo a outra dimensão.
Alan:
- isso nunca aconteceu antes não podemos prever nada.
Daniel:
- tem razão.
Alan:
- em caso o mundo acabe.
(cena)
o Alan se vira para uma garota qualquer, e beija ela na boca.
alan:
- não quero...
(cena)
a garota da um tapa na cara de Alan.
garota:
- tarado.
Alan:
- valeu a pena.
Daniel:
- e se o mundo não acaba?
alan:
- não entende não é.
Daniel:
- o que?
Alan:
- isso não só esta acontecendo só aqui mas no universo inteiro.
Daniel:
- eu sei.
Alan:
- isso não é como se fosse um chuvinha.
(cena)
o Alan estava chorando.
Alan:
- eu não quero morrer, cara.
(cena)
o Daniel deu um tapa no Alan.
Daniel:
- se recomponha, você é a cabeça do time, você não pode fica louco.
Alan:
- eu não estava ficando louco.
Daniel:
- não estava?
Alan:
- não.
Daniel:
- você estava chorando.
Alan:
- não foi por isso.
Daniel:
- então por que você estava chorando.
Alan:
- é que a pancada da garota realmente doeu.
(cena)
Daniel passa a mão na cabeça.
Daniel:
- você as vezes me envergonha.
Alan:
- você não ajudou nada com o segundo tapa.
Daniel:
- seja homem e não chora.
Tamiryes:
- pessoal.
Alan:
- você não devia ter me batido.
Daniel:
- pare de fica chorando.
Tamiryes:
- PESSOAL OLHE.
(cena)
milhares de aves estavam vindo em direção a lanchonete.