terça-feira, dezembro 31, 2013

O ultimo dia

Erico era um faxineiro no museu de arte, esse seria o ultimo dia dele, chegou uma estatua lá, foi achado em uma casa, a estatua era igual ao dono da casa,  e na casa dele tinha vários objetos estranhos, para ele achava que era só mais uma estatua, até que um dia Erico estava varrendo até que sem querer esbarra na estatua, ela cai destruindo-a, e ver uma coisa muito assustadora, quando ela caiu os pedaços eram mistura de pedra e sangue, ele caiu no chão e ficou catatônico e nunca mais se recuperou.



                                                                FIM

Historias relacionadas:
A caixa da sorte

segunda-feira, dezembro 30, 2013

Os lobos e a aldeia

Uma aldeia no tempo medieval, as pessoas não se davam muito bem com os lobos, eles roubavam a comida das pessoas, isso acontece por muito tempo, as pessoas sempre o expulsavam, chutando, batendo neles com vassoura e por ai, até que um dia, uma criatura grande de pelos brancos, tinha uma boca grande e dentes afiados, ele matou algumas pessoas que estavam longe da aldeia, o monstro estava se aproximando e todas as pessoas estavam com medo, os lobos vão em direção ao monstro, todos os lobos atacam ele, alguns dos lobos morriam, foi uma batalha brutal, mas os lobos venceram a criatura cai morta no chão, a parti desse dia, as pessoas começaram a dar comida aos lobos, ficavam cuidando deles, as pessoas e os lobos ficaram em paz.



                                                                       FIM 

sexta-feira, dezembro 27, 2013

A caixa da sorte

Cleiton tem um trabalho no escritório, e uma coisa que ele faz com o dinheiro que ganha, é comprar objetos estranhos,enquanto andava na rua viu uma caixa com escritas e uma joia vermelha em cima, tinha uma estatua no lado, pega a caixa e vai para casa, chegando a casa e coloca ela na mesa, depois disso a campainha toca, ele a atende e ver uma mulher muito linda, ela diz"que sempre se interessou nele", no dia seguinte, recebeu uma promoção, se casou com a mulher, teve uma vida de sorte, era isso que ele pensava, a caixa criava ilusões na cabeça dele, ela o estava transformando lentamente em pedra, até que ele vire uma estatua.



                                                         FIM   

quinta-feira, dezembro 26, 2013

A carta de sangue

Antônio selva tem 22 anos, tinha saído de férias, quando voltou para a casa, ficou chamando os pais, mas ninguém via, viu uma carta em cima de uma mesa, e nela tinha gostas de sangue e nela estava escrito.
"oi Antônio, quero dizer que a vida toda fiquei ouvindo várias vozes na minha cabeça, sempre tentava ignorar ela, mas no tempo que você estava de férias, me cansei das vozes, para ver se as vozes na minha cabeça calem, resolvi a obedecer a elas, elas me diziam para matar toda a minha família, peguei a faca e matei os nosso pais, estou esperando a sua chegada.
Caridosamente Salvio Selva"
Nesse momento o Antônio se vira e...


                                                                FIM

quarta-feira, dezembro 25, 2013

Ninguém se importa?

A Soara uma mulher caucasiana, morena de cabelos longos, nada dava certo na vida dela, não tinha um emprego bom, não tinha família, sempre achou que ninguém se importava com ela, que o mundo não á queria lá, um dia estava andando na rua, com o fone de ouvido, enquanto andava, sentiu uma mão no ombro, se virou e não viu ninguém, nesse momento um ônibus passa muito perto dela, se ela não tiver-se parado o ônibus teria acertado-a, alguma coisa a salvou, nesse momento começou a apreciar mais a vida, depois disso ela foi ter um bom emprego e uma ótima família.  


                                                                  FIM

terça-feira, dezembro 24, 2013

O monstro no lago no gelo

Jones um estudante, um caucasiano de cabelo preto, é um estudante, quando estava de férias, decidiu patinar em um lago congelado, estava patinando no lago, estava indo tudo bem, vendo toda a floresta em volta, estava muito tranquilo.
Ele olha para baixo e ver uma sombra muito grande, ele tentou sair do lago o mais rápido possível, mas uma parte da frente do lago é quebrada, e consegue ver uma parte da cauda, Jones vai para o outro lado do lago, uma outra parte se quebra na frente dele, caiu no chão, estava tentando fugir, mas a criatura tentava alcançar ele.
Estava deitado no chão, estava começando a chorar, uma mão que tinha garras no lugar de dedos, e a pele dela é como os dos crocodilos, ela tinha surgido do lago, estava se aproximando dele, ele tirou os patins de gelo.
Quando a mão chegou muito perto dele, ele com a lâmina dos patins, ficou perfurando a mão dela, Jones não parava de atacar, a criatura retirou a mão, ela ficava se debatendo, a cauda da criatura ficou exposta, ele foi até a causa e ficou perfurando ela, não parava o ataque, até que a cauda foi para baixo, ver a sobra dela se mover de um lado para o outro, e ela finalmente parar, ele se sente aliviado e saiu do lago o mais rápido possível.


                                                                  FIM         

segunda-feira, dezembro 23, 2013

A anja da salvação.

O joão Kintero, um caucasiano, que tinha barba por fazer, com cabelo grande, ele estava na ponta do prédio, a pouco tempo depois, ele estava dirigindo o carro, dai um outro carro bateu nele, e no carro estava a mulher dele, a perda foi muito forte, não estava conseguindo mais trabalhar, não se importava com mais nada da vida.
Ficou olhando o chão, quando estava decidido que ia pular, uma anja, no formato da mulher dele, uma caucasiana, de cabelos longos e pretos, ela toca na cabeça dele e diz" tenha calma, me espere", ele não tinha intendido,"espera, mas até quando?" diz isso para ela, a anja desapareceu, ele ficou confuso, tinha decidido não se matar, um dia depois ele acordou e a mulher estava viva ao lado dele, depois disso ele não tentou procurar saber o que foi que aconteceu, simplesmente aproveitou a vida com ela.


                                                                 FIM  

sexta-feira, dezembro 20, 2013

A decisão arriscada.

José um policial civil, um afro-americano, tem cabelo raspado, ele ficou sentado no meio do ônibus, ficava olhando pela janela, até que 2 bandidos mascarados entraram no ônibus, os dois tinham revolver, um deles ficou na frente do ônibus, e o outro ficou atrás.
Droga, se um deles souber que eu sou policial, eles podem arriscar a tirar a minha vida e a de inocentes, tenho que fazer alguma coisa, mas a questão é o que? Tenho que eliminar esses dois, sem que eles matem inocentes por consequência.
Se eu atirar no cara da frente, o de trás pode atirar, me matando e por consequência matar alguém mais.
Posso esperar um deles chegar perto e atirar, mas o outro pode fazer alguém de refém.
Posso tentar atirar nos dois, mas a chance de eu acerta um dos passageiros é grande.
Posso tentar imobilizar um, mas teria o mesmo problema do outro fazer alguém de refém.
Se eu atirar um dos dois o outro pode me matar.
Já sei, me levanto apontando a arma para o que estava atrás, os dois apontaram as armas na minha direção, nesse momento eu finjo que eu vou atirar, fico rapidamente de joelhos, os dois bandidos atiram um do outro, felizmente salvei todos os passageiros do ônibus.


                                                                          FIM  

quinta-feira, dezembro 19, 2013

Quarto 405

Um dia quando Hugo pedra, um caucasiano, gordo de barba grande e preta, ele foi viajar para os Estados Unidos, só para se diverti, nesse dia ele ficou em um hotel, ficou no quarto 405, sentou na cama e depois se deitou nela, enquanto estava lá começou a ouvir uma mulher chorando, sábia que pelo som estava vindo do quarto 404, não aguentava o choro dela, tapava os ouvidos com o travesseiro, passou o tempo depois ouvia a mulher dizendo"por que ninguém me ajuda", o Hugo não se importava com isso, só estava tentando dormir, foi acontecendo isso a noite toda, quando amanheceu ele foi reclamar dos barulhos que a mulher do 404 estava fazendo, foi para o atendente do hotel, o atendente falou que não tinha ninguém no quarto 404, o Hugo não demorou muito, saiu do país e nunca mais voltou.


                                                                FIM     

quarta-feira, dezembro 18, 2013

A caixa proibida

Rodney era um pesquisador, caucasiano, branco.Ele estava na Grécia e estava pesquisando e estudando a historia de lar, enquanto ele estava andando, sem querer acaba caindo em uma caverna, e dentro dela ele acaba encontrando uma caixa, via que ao redor da caixa, via várias escrituras dizendo"não abra a caixa", ele queria respeitar e muito o que os escritos estava dizendo, mas ele abriu a caixa, viu uma grande luz branca, depois a caixa sumiu, o Rodney perdeu todos os 5 sentidos, um grupo de pesquisadores acabou vendo ele na caverna, trouxeram ele para o hospital, colocaram ele ao lado de uma mulher muito linda, que tinha os mesmos problemas dele, o que eles não sabiam, ela era a própria Pandora outra vitima da caixa.



                                                                  FIM  

terça-feira, dezembro 17, 2013

O quadro do medo

Um homem chamado de José Van e tinha uma mulher chamada Maria seika, eles estavam querendo comprar uma casa, um dia viram uma casa grande e bonita, e nela tinha um quadro horrível, nele tinha uma pintura de vários corpos mutilados, como eles gostaram da casa, compraram a casa e fizeram toda a mudança para la, a primeira coisa que eles fizeram foi jogar o quadro fora da casa.
No outro dia os dois estavam voltando do trabalho, e lá estava o quadro de volta, eles se questionaram quem foi que trouxe o quadro de volta para a casa, colocaram de novo o quadro fora, no outro dia tinha acontecido a mesma coisa, eles chamaram a policia, eles relataram que alguém avia invadido a casa deles, depois disso eles trocaram as fechaduras, desta vez pegaram o quadro e dirigiu para longe e jogaram ele, no outro dia aconteceu exatamente a mesma coisa.
Desta vez eles pegaram o quadro foram para longe da casa e tacaram fogo nele, no outro dia ao voltarem do trabalho se assustaram, viram o quadro lá na casa inteiro, eles jogaram de novo o quadro fora, desta vez compraram uma câmera, deixaram elas apontada para as portas, para pegar em vídeo a pessoa que esta trazendo o quadro de volta.
Depois de voltarem do trabalho estava o quadro de volta no lugar, depois eles começaram e ver os vídeos e viram, a porta de abrindo, tinha o quadro sozinho e saia dele vários braços, mostrava o quadro indo para o lugar onde estava, depois de verem isso, ele se mudaram e nunca mas chegaram perto do quadro.



                                                              FIM     

segunda-feira, dezembro 16, 2013

O clone e a maquina

No futuro de 2230, os humanos sabiam fazer maquinas altamente inteligente, e podiam fazer clones, e faziam clones adultos para os trabalhos manuais, porque tinha problemas que o clones sabiam resolver problemas que as maquinas não sabiam.
Os robôs sub-visionavam a criação dos clones, no momento um clone adulto é feito, ele toma consciência,"onde estou?" diz o clone, "na maquina de clones 30" diz a maquina,"quem eu sou" diz o clone,"você é clone 1331" diz a maquina.
Nesse momento o clone torce sangue,"clone com defeito" diz a maquina,"o que" diz o clone,"você é um clone com defeito" diz maquina, "o que você vai fazer comigo?" diz o clone, "terei que fazer com que a sua vida chegue ao fim" diz a maquina,ele ficou de joelhos no chão e começa a chorar"por favor não me mate" diz ele,"desculpe" diz a maquina,"você não pode dar uma vida e depois..."quando o clone estava dizendo isso, maquina, deu um choque nele matando ele direto.
"próximo clone" diz a maquina.


                                                             FIM       

sexta-feira, dezembro 13, 2013

Medo de monstros

 O menino Joãozinho, ante de ir dormir, sempre pensava pensava que existia um monstro no armário, ele morria de medo disso, e sempre o resultado era o mesmo, nunca havia mostro-lá.
Então um dia ele percebeu uma coisa, ele pegava um caderno e escrevia sobre o monstro, e pensava em vária ideias para derrotar-lo, o tempo passava e ele ficava escrevia sobre monstros, e se tornou um grande escritor de terror, e alguns dos livros dele viravam filmes, já adulto vive bem e sem medo de monstros.
Quando criança percebeu percebeu que o único modo de vencer o medo seria usar-lo ao seu favor.


                                                                   FIM

quinta-feira, dezembro 12, 2013

O olhar sangrento parte:Final

Demônio azul:
- você não pode ser tão rápido.
Xino sangrento:
- você vai morrer por tudo o que você fez.
Demônio azul:
- CALA A BOCA!
Muitos cortes aparecem no demônio azul, e ele caiu no chão morto.
Xino sangrento:
- cumprir a promessa.
A Roberta vai em direção do Xino e abraça o Xino.
Roberta tin:
- eu sabia que você viria.
A menina xora, o Xino volta ao normal e abraça ela.


                                                                               FIM

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13

O olhar sangrento parte:13

O olhos abaixa e dar um giro e ataca, o ataque chega perto da cara do Azul.
Demônio azul:
- Quase.
Olhos sangrentos:
- você disse que esta assim o tempo todo certo?
Demônio azul:
- sim.
Olhos sangrentos:
- então você acha que é mais forte do que eu, certo?
Demônio azul:
- e sou.
Olhos sangrentos:
- mostre todo o seu poder se não te matarei rapidamente.
O demônio azul ataca várias vezes e olhos sangrentos esquiva.
Demônio azul:
- como isso é possível?
Olhos sangrentos:
- eu vou te mostrar o que acontece, quando a pessoa e o espirito encontram o equilíbrio.
A cor do cabelo fica branco e olhos também e as presas somem.
Xino sangrento:
- meu nome é Xino sangrento.
Demônio azul:
- isso não me impressiona.
O xino desaparece e reaparece na frente do demônio azul.  

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12

O olhar sangrento parte:12

Demônio azul:
- objetivo é simplesmente fica mais forte.
Xino zeng:
- esta certo, mas para isso é preciso haver o equilíbrio.
Demônio azul:
- isso é ridículo.
Xino zeng:
- não adianta fica falando, eu tenho que te mostrar que eu tenho razão.
A aura do Xino aumenta, a venda dele cai, as pressas crescem nele e o os olhos tornam-se vermelhos.
Olhos sangrentos:
- ola.
Demônio azul:
- lute guerreiro.
O olhos sangrentos chega perto dele, e ataca com a espada, e o Demônio azul defende.
Demônio azul:
- você é fraco.
Olhos sangrentos:
- não julgue rápido.
Demônio empurra ele, ataca com a espada, e o olhos se esquiva.
Demônio azul:
- droga.
O Demônio azul continua o ataque e o sangrento defende com a espada.
Olhos sangrentos:
- o que você disse mesmo?

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11

O olhar sangrento parte:11

Demônio azul:
- também?
Xino zeng:
- eu também sou desse estilo.
Demônio azul:
- mostre o guerreiro.
Xino zeng:
- você esta falando do espirito guerreiro?
Demônio azul:
- o único guerreiro de verdade é o espirito, a forma humana nunca deveria ser considerada como um guerreiro.
Xino zeng:
- que idiota.
Demônio azul:
- a pessoa que invocou a minha presença nesse corpo, admitiu que é uma pessoa fraca, então para eu me tonar mais forte, teria que dominar esse corpo 100%
Xino zeng:
- então você esta nessa forma o tempo todo.
Demônio azul:
- exato.
Xino zeng:
- então o humano desistiu do treinamento.
Demônio azul:
- admita que nessa forma humana você não conseguiria me vencer.
Xino zeng:
- o objetivo do treinamento é haver um equilíbrio entre a pessoa e o espirito. 

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10

O olhar sangrento parte:10

Demônio azul:
- não.
A prefeita:
- a policia vai matar você.
Demônio azul:
- eu nesse momento tenho pessoas de confiança protegendo a minha retaguarda.
A aparece na sala um dos sequestradores.
Sequestrador:
- detonaram todos eles, todo o nosso grupo.
Demônio azul:
- quem a policia?
Sequestrador:
- não só uma pessoa.
Demônio azul:
- uma pessoa.
Xino zeng:
- desculpe-me pela demora.
Roberta tin:
- você veio.
Xino zen:
- eu tinha feito uma promessa, e eu irei cumprir-la.
Demônio azul:
- Você vai morrer.
Xino zen:
- você também pratica o estilo do espirito guerreiro. 

O olhar sangrento parte:09

A prefeita:
- o que esta acontecendo?
A Roberta vai em direção a mãe.
Roberta:
- mãe estou com medo (ele estava chorando).
A prefeita:
- tudo vai fica bem.
Menina:
- você promete?
A prefeita:
- eu prometo.
A porta da sala onde elas estavam explode.
Um homem com cabelo grande, olhos azuis e presas e ele tinha uma espada.
A pessoa:
- deixe-me apresentar, eu sou o demônio azul.
A prefeita:
- me diga, o que você quer?
Demônio azul:
- eu quero 1 milhão de reais.
A prefeita:
- o que você é uma especia de vampiro.
Demônio azul:
- me classifico como o espirito guerreiro.
A prefeita:
- Você não pode esperar um pouco?

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06,07,08

O olhar sangrento parte:08

Xino pega a vã, estaciona perto da menina, gentilmente coloca ela na vã, ele leva ela na casa da mãe dela, a Roberta vai em direção a mãe e explica tudo o que aconteceu, a roberta olhou para fora de casa.
Roberta tin:
- onde esta ele?
A prefeita:
- Quem, minha filha.
Menina:
- o Xino a  pessoa que me salvou dos homens maus.
A prefeita:
- ele deve esta muito ocupado filha.
Menina:
- e se os homens maus voltarem.
A prefeita:
- dai eu irei impedi-los.
A mãe abraça a filha.
Menina:
- eu não quero que você se machuque.
A prefeita:
- não se preocupe nada vai acontecer comigo.
No outro dia, tudo estava voltando ao normal, a policia estava investigando quem foi que esteve na tentativa de sequestro.
A prefeita:
- Eu queria que esses bastados estiver-sem presos agora.
A muito barulho na parte da frente da casa.

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06,07

O olhar sangrento parte:07

olhos sangrentos:
- parabéns por ter percebido.
Ele aparece rápido na frente do sequestrador.
olhos sangrentos:
- e este é o seu prêmio.
Ele cortar o sequestrador no meio, depois os outros sequestradores começaram a atirar.
olhos sangrentos:
- calma pessoal o prêmio pode ser dividido.
Ele cortou a cabeça de metade dos sequestradores e a outra metade eles os cortou ao meio.
olhos sangrentos:
- bem...
Ele olha de uma lado para outro.
olhos sangrentos:
- a diversão para min acabou.
Ele pega a venda no chão.
olhos sangrentos:
- agora o trabalho é com você.
Ele coloca a venda e fica no estado normal.
menina:
- já posso abrir os olhos?
Ele ver todos os corpos cotados ao meio.
xino zeng:
- acho melhor não.
menina:
- então quando?
xino zeng:
- vamos primeiro sair daqui certo?
Menina:
- certo.

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05,06

O olhar sangrento parte:06

menina:
- se não são seus então de quem eles são?
Xino zeng:
- eles são de um espirito guerreiro chamado"olhos sangrentos".
Menina:
- obrigada por me contar.
Xino zeng:
- menina, fecha os teus olhos porque esta na hora de abrir os meus.
Nesse momento ela fecha os olhos, ele retira a venda completamente e mostra os olhos com a cor vermelha, ele fica olhando para as pessoas em volta, depois uma aura de energia aparece em volta dele, na boca dele começaram a surgir umas presas, ele começa a dar uma risadas, depois ele começar a olhar as pessoas assustadas em volta dele.
olhos sangrentos:
- então são essas as pessoas que irei matar hoje.
Os sequestradores assustados começam a atirar, depois de um tempo pararam os tiros.
O sequestrador:
- mas o que foi que aconteceu?
menina:
- já posso abrir os meus olhos?
olhos sangrentos:
- não ainda nem comecei a me diverti.
o sequestrador:
- mas o que foi que aconteceu?
olhos sangrentos:
- você devia prestar mais atenção?
o sequestrador:
- o que?
o olhos sangrentos aponta para baixo e ele ver.
o sequestrador:
- você cortou todas as balas atiradas na sua direção.

veja as partes anteriores:01,02,03,04,05

O olhar sangrento parte:05

menina:
- isso não faz sentindo, por que você não quer abrir-los.
Xino zeng:
- é que isso tem haver com o meu treino.
Menina:
- qual o objetivo do treino?
Xino zeng:
- é muito complicado de dizer.
Duas vãs param perto deles.
Menina:
- será que a minha mãe mandou eles?
Xino zeng:
- Eu duvido muito disso.
menina:
- como você sabe disso?
Xino zeng:
- por que eles estão de máscaras e armas.
Menina:
- como você sabe disso?
Pessoas saíram da vã de máscaras e armas.
uma das pessoas:
- entregue a garota ou você morre.
Xino zeng:
- menina eu tenho que te dizer uma coisa.
menina:
- o que você tem para explicar?
Xino zeng:
- é que os olhos que eu tenho não são meus.

veja as partes anteriores:01,02,03,04

O olhar sangrento parte:04

Xino zeng:
- por enquanto só consigo pensar nesse motivo.
Roberta tin:
- sera que a minha mãe esta em perigo.
Xino zeng:
- você acha que a segurança da sua casa é boa.
Roberta tin:
- eu diria que sim.
Xino zeng:
- sobre atacarem a sua mãe.
Roberta tin:
- você acha que eles vão fazer alguma coisa?
Xino zeng:
- concorda que eles estavam tentando te sequestrar?
Roberta tin:
- acredito que sim.
Xino zeng:
- provavelmente eles vão tenta mais maneiras de sequestrarem você.
Roberto:
- você vai me proteger, certo?
Xino zeng:
- não vou deixar que nenhum homem malvado chegue perto de você.
Roberta tin:
- posso pergunta uma coisa?
Xino zeng:
- pode pergunta.
Roberta tin:
- por que os seus olhos estão vendados.
Xino zeng:
- para não abrir-los.

veja as partes anteriores:01,02,03

O olhar sangrento parte:03

Os dois estavam andando.
Xino zeng:
- você sabe me dizer o que eles queriam com você?
Roberta tin:
- não sei.
Xino zeng:
- o que eles fizeram?
Roberta tin:
- eles mataram meu motorista e depois eles tentaram me pegar.
Ela estava começando a lacrimejar.
Xino zeng:
- Desculpe-me eu tinha que pergunta o que eles fizeram.
Roberta tin:
- eu entendo.
Xino zeng:
- eles provavelmente estavam querendo sequestrar você.
Roberta tin:
- por que?
Xino zeng:
- você sabe o emprego de seus pais.
menina:
- eu só tenho a minha mãe.
Xino zeng:
- você sabe o emprego da sua mãe.
Roberta Tin:
- ela é a prefeita dessa cidade.
Xino Zeng:
- este deve ser o motivo.
Roberta tin:
-você acha?

veja as partes anteriores:01,02

O olhar sangrento parte:02

A menina fica relutante pelo fato de Xino ter matado duas pessoas, mesmo que essas pessoas estavam com a intensão de matar ela, e isso pelo menos esse ato foi bom.
Xino zeng:
- não se preocupe menininha, pode continuar seguindo em frente, se alguém for tentar atacar você eu irei te proteger, custe o que custar.
menina:
- você vai mesmo me proteger?
Xino zeng:
- sim, eu irei te proteger.
menina:
- mas você não consegue enxergar nada.
Xino zeng:
- não deixe a venda te enganar eu consigo ver mais do que aparento.
menina:
- como, essa venda é transparente?
Ele dar uma risada.
Xino zeng:
- não ela não é.
Menina:
- então como?
Xino zeng:
- eu gostaria de explicar tudo com cuidado, mas temos que sair daqui não sabermos se só tinham essas pessoas, como bandidos, poder ter mais.
menina:
- Tem razão vamos.
Xino zeng:
- eu me chamo Xino zeng e você?
Menina:
- Roberta tin.

veja as partes anteriores:01

quarta-feira, dezembro 11, 2013

O olhar sangrento parte:01

Tinha uma pessoa andado na rua, com uma venda vermelha cobrindo os olhos, ele andava com um pano grande, que cobria a espada samurai, ele era do brasil, usava camisa social preta, e calça jeans, estava andando na rua tranquilamente, até uma menina aparecer correndo.
menina:
- socorro alguém me ajuda.
Perseguindo ela tinha duas pessoas com máscaras, ele foi para perto da menina e parou na frente dos mascarados.
Pessoa:
- vocês poderiam me ajudar.
Um dos mascarados achou graça dele.
o mascarado:
- mas quem diabos é você.
pessoa:
- me desculpe eu não me identifiquei eu sou Xino Zeng.
o mascarado:
- você não me parece ser japonês.
Xino Zeng:
- tem razão, eu tinha feito uma escolha, e esta escolha me fez abandonar o nome com que eu os meus pais colocaram.
O mascarado:
- você pode sair da nossa frente.
Xino Zeng:
- é claro é só você me disserem o motivo para estarem perseguindo uma menina.
O mascarado puxa uma arma de calibre 38, o Xino tina o pano que cobria a espada, ele vem a espada voltar para a bainha, o outro mascarado.
mascardo2:
- o que você fez.
O braço do primeiro mascarado caiu, antes que algum deles tiver-se alguma reação, ele atacou os dois fazendo cortes profundos, matando os dois.
Menina:
- obrigado moço.
Xino Zeng:
- tenho que levar você para alguém de confiança.

continua...

terça-feira, dezembro 10, 2013

Conhecimento

Um adolescente chamado Roberto Faz, ele passava nas provas com muita dificuldade repetiu alguns anos do colégio, ele é um garoto branco, cabelos curtos de cor morena, ele vai para um poço conhecido"o poço dos desejos", ele joga uma moeda no poço e fez o perdido"eu quero saber de tudo", e demorou 2 dias e ele ficou sabendo de tudo, mas muitas das coisas que ele sabia eram segredos tão terríveis, que nunca deveriam ser descobertos, 1 dia depois de ter todo o conhecimento, ele não aguentou ele se jogou no poço para a morte.

Historias relacionadas:
o poço do zé

segunda-feira, dezembro 09, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:final

Charles deen:
- você tinha que falar para ela.
Ben:
- eu tenho que falar para elatoda vez que você ajir como louco.
matilda:
- se você morrer-se.
Charles deen:
- eu sei poderia estrgar tudo.
matilda:
- você só seria uma pessoa a menos no nosso grupo.
Charles deen:
- você estar dizendo que eu não sou importante para o nosso grupo.
Matilda:
- ainda bem qe você entendeu.
Charles deen:
- eu sou importante para turma tanto quanto você.
Matilda:
- que pena que ele não te matou.
Ben:
- vocês dois tem que se acalmar.
Matilda:
- eu tinha que me juntar com a pessoa mais raivosa entre os nosso irmãos.
Ben:
- se acalmen.
Matilda:
- eu estou calma, é ele que é o raivoso.
Charles deen:
- eu devia.
Ben:
- você não devia nada.
Charles deen:
- eu vou me acalmar.
Matilda:
- mas pelo amor de deus se acalme de vez.
Charles deen:
- eu vou tentar o máximo.
Matilda:
- deveriamos tirar você do grupo.
Charles deen:
- do que você estar falando.
Matilda:
- estes seus ataques de raiva podem estragar tudo.
Ben:
- ela tem razão cara.
Charles deen:
- VOCÊS ME QUER FORA DO GRUPO TAMBEM?
Ben:
- pelo amor de deus se acalme.
Charles deen:
- ok, vou me acalmar.
Matilda:
- próximo ataque você estará fora do grupo.
Ben:
- você tem algum plano que queira fazer em seguida.
Matilda:
- tenho.
Ben:
- charle você estar pronto?
Charles deen:
- sim.
os dias que se seguem o Ben fez discurços na frente dos "os filhos da luz" Ben e Douglas estavam dispurtando para ver quem teria mais empartia pelo publico a discurção foi seguindo durante dias, até o dia do jugamento, todos ouviram na televisão o juiz.
Juiz:
- conscidero o perdido dos ciêntistas podem colocar-lo para fazer os estudos nele.
a opinião das pesssoas estavam divididas.
douglas:
- vamos liberta o nosso pai.
ouve uma confusão na plateia estavam discurtindo se iria liberta ele ou não nesse momento começou a briga entre irmãos.
Charles Deen:
- ei Douglas.
charles foi enfrentar douglas, o douglas enfiou a mão no peito de charle fazendo com que ele caia no chão, uma nevoa apareceu, douglas ficava tentando ver o que estava acontecendo.a Matilda encostou no Douglas, e com o poder dela estava fazendo com o corpo de Douglas comerçar-se a tremer, ela fez isso até o ceréblo dele fosse destruido por dentro causando a morte dele, ela depois disso foi para perto de Charle, ela estava em lagrimas.
Charles deen:
- o que vai acontecer agora?
Matilda:
- eu não sei.
Charles deen:
- eu não estou aguentando.
Matilda:
- sabe o que eu falei antes que você não erá importante, eu menti você é.
Charles deen:
- obrigado por dizer isso, e foi bom te conhecer.
Matilda:
- por favor não.
Naquele momento morreu o Charle, o esperimento feitos no Saimon faz com que algumas pessos tiver-sem super-poderes, e vários herois nasceram.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21

sexta-feira, dezembro 06, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:21

Douglas:
- num dia tempestuoso.
Ben:
- então é aqui você estar.
Charles deen:
- você não de vinha vim aqui Ben.
Ben:
- o que e deixar você tendo uma converça amigavel com ele.
Cahrles deen:
- você estar correndo perigo.
Douglas:
- você é amigo deste idiota.
Ben:
- do jeito como ele aje eu não quero ser muito amigo dele.
Douglas:
- pelo que estou vendo ele cita o seu nome.
Ben:
- eu não sou amigo dele mais apoio ele.
Douglas:
- Você deveria se afastar.
Ben:
- só para você saber eu tambem sou um desses "filhos da luz"
Douglas:
- é sempre muito bom conhecer um irmão.
Ben:
- deixe ele ir.
Douglas:
- você vai controlar ele ?
Ben:
- farei o possível.
Charles deen:
- o que você estar fazendo enfrente este desgraçado.
Douglas:
- você vai me enfrentar?
Ben:
- conheço os seus poderes e saiba que os meus poderes também não são fracos, que isto fique bem claro.
Douglas:
- então venha.
Ben:
- estou falando isso para evitar a briga.
Charles deen:
- não seja covarde.
Ben:
- eu não faço nada que este garoto manda.
Douglas:
- você, Ben, deveria cuidar deste pirralho para ele não sair da linha de novo, eu fui bem claro.
Ben:
- sim, você pode sair daqui com calma que eu lhe garanto que nada vai acontecer com vocês.
Douglas:
- ok.
Douglas saiu andando o Ben vai caminhando perto do charle, como o charle não aparenta está bem.
Ben:
- você é maluco.
Charles deen:
- temos que acabar com isso logo, matar ele é uma forma disso.
Ben:
- faça isso e ele se torna um Martirin para eles piorando ainda mais as coisas.
Charles deen:
- você tem razão.
Ben:
- vamos voltar.
Charles deen:
- ok.
matilda:
- você só pode estar brincando comigo.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20

quinta-feira, dezembro 05, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:20

Charles deen:
- ao menos não estou querendo tirar ele da cadéia.
Matilda:
- isto não exclui, que você seja pior do que ele.
Charles deen:
- não gosto desta comparação.
Matilda:
- se você não gosta então é melhor se acalmar.
Charles deen:
- ok.
ainda estavamos discurtindo, quando vi o douglas perto da janela, fui até ele.
Charles deen:
- ei douglas.
Douglas:
- o que você quer?
Charles deen:
- não acredito que você queira liberar aquele desgraçado.
Douglas:
- o "desgraçado" que você estar falando é o nosso pai.
Charles deen:
- me recuso que aquilo me chame de pai.
Douglas:
- eu espero que você controle esse seu temperamento.
Charles deen:
- o que você vai fazer se eu não me controlar?
Douglas:
- o que qualquer irmão faria se o outro não estar se comportando.
douglas dá um soco no Charles fazendo com o impacto do soco fazendo com que o chales tacar-se na parede, douglas chegou perto dele, pego-o ficou tacando na parede várias e várias vezes, cheles segurou os pés de Douglas e congelou eles na primeira oportunidade ele conseguiu sair.
Douglas:
- eu não entendo você.
Charles deen:
- o que foi?
douglas:
- você é muito na ofensiva mas seus poderes são defencivos, você devia ficar para no seu canto.
douglas conseguiu sair de onde estava congelado.
Douglas:
- você só sabe fazer isso.
chales lançou raios congelantes fazendo congelar todo o corpo menos a cabeça.
Charles deen:
- basicamente sim.
Douglas:
- você estar sendo um pérsimo irmão.
Charles deen:
- é eu adimito sou um pérssimo irmão.
Douglas:
- por que você não concorda com migo e liberta o nosso pai.
Charles deen:
- eu posso ser um terrível irmão mas ele é uma perssima pessoa.
Douglas:
- ele estava fazendo um favor a humnanidade.
Charles deen:
- não vejo o que ele fez como um favor para humanidade.
Douglas:
- eu ainda tenho que te ensinar muito irmão.
douglas quebrou o gelo.
Douglas:
- você tem que ver ele fez um bem para eles.
Charles deen:
- estrupar pessoa nunca será um ato bom.
Douglas:
- sua mente estar poluida.
Charles deen:
- minha mente estar tão clara como o dia.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19

quarta-feira, dezembro 04, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:19

Matilda:
- tem razão os normais, tambem ver ele como um deus.
Ben:
- eu até vi alguns normais fazendo bandeiras planejando liberta ele.
Charles deen:
- o que?
Ben:
- é a primeira vez que alguem ouve historia de um ser humano com poderes de verdade.
Matilda:
- só devemos nos concentrar nos nossos irmãos.
ben:
- você acha que a gente não deve nos preocupar com os normais.
Charles deen:
- não estou gostando muito de mencionar que os outros como "normais"
Matilda:
- "os que não são nossos irmaos" prefere este termo?
Charles deen:
- "os sem poderes".
Matilda:
- vamos deixar como o termo"normais" para encurta a converça.
Charles deen:
- ok.
Matilda:
- mas alguma reclamação?
Charles deen:
- não.
Matilda:
- onde eu estava?
Ben:
- dizendo que o grande problema são os nossos irmãos.
Matilda:
- os normais não tem como tirar o nosso pai a força, mas já os nossos irmãos.
Ben:
- você não ver uma falha nisso.
Matilda:
- qual?
Ben:
- de uma maneira ou outra vamos ter que enfrentar o douglas.
Matilda:
- tem razão ele vai querer batalhar.
Chales deen:
- temos que fazer ele mudar de idéia.
Matilda:
- é um cabeça durar muda de idéia fácil!
Charles deen:
- é termos que enfrentar-lo.
Matilda:
- você se lembrar que ele derrotou com uma porrada.
Chales deen:
- caro que eu me lembro.
Matilda:
- eu sou do tipo covarde não sou muito de enfrentar batalhas.
Chales deen:
- eu enfrento ele.
Matilda:
- você não tem como vercer ele.
Charles deen:
- me der essa chance.
matilda:
- caso você não tenha percebido, eu estou querendo resolver tudo pacificamente.
Charles deen:
- mas uma batalha é inévitavel.
Matilda:
- meu deus você parece ser pior do que o douglas.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15,16,17,18

terça-feira, dezembro 03, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:18

Matilda:
- e de fazer coisas idiotas!
Charles deen:
- pare com isso.
Matilda:
- o que foi estar com raiva!
o Ben da risada.
Charles deen:
- podemos continuar.
Matilda:
- a frescas com a sua cara, vou fazer isso isto sempre.
Ben:
- parem vocês estão me matando!
Charles deen:
- podemos discurti o plano.
Matilda:
- não reparem nele ele sempre estar mal humorado.
Ben:
- você tem que aprender a relaxar cara.
Charles deen:
- olha vamos nos concentrar no que importa.
Matilda:
- na verdade á unica coisa que importa é o que o juri vai pensar.
Charles deen:
- este desgraçado não pode sair da prisão.
Matilda:
- você estar certo.
Charles deen:
- a opinião publica tem que valer e muito agora.
Matilda:
- por enquanto o nosso plano se limitar em você falar alguma coisa na frente deles.
ben:
- vocês acham que eu vou conseguir convencer as pessoas de algo?
Matilda:
- nós bem que estamos contando com isso.
Ben:
- mas e os nossos irmão quem vai conseguir deter eles se todos eles ficaram com raiva de min?
Matilda:
- não tenha medo nós vamos lhe proteger.
Ben:
- não importa quanto vocês sejam fortes duvido que vocês vão conseguir deter todos eles.
Matilda:
- se você falar alguma coisa que deixou eles irritados, fale alguma outra coisa para acalmar-los.
Ben:
- vocês dão conta do douglas.
Matilda:
- aquele douglas não pode contra nós três.
Charles deen:
- você quer fazer isso ou não.
Ben:
- eu quero ajudar, quem podera dizer que aqueles ciêntistas vão poder deter-los.
Matilda:
- se o problema fosse só isso.
Charles deen:
- o que você quer dizer com isso?
Matilda:
- o problema de verdade não vai ser se ele vai sair da prisão ou não, o grande problema são os nosso irmãos, eles estão disposto a soltar ele de uma maneira ou de outra.
Charles deen:
- os ciêntista não podem tirar ele de lá.
Matilda:
- o caso do ciêntistas é o de menos, o temos que tirar a idéia dos nossos irmão de libertá-los de uma maneira ou de outra.
Charles deen:
- eu não acredito que eles querem liberta um estrupador.
Matilda:
- lembrar-se na cabeça dos nos irmãos ele é uma éspecie de deus.
Ben:
- e não é só o nossos irmãos.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15,16,17

segunda-feira, dezembro 02, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:17

Charles deen:
- sabe uma coisa que ele me falou?
Matilda:
- não.
Charles deen:
- ele me disse que era a evolusão.
matilda:
- sério?!
Charles deen:
- eu não estou brincando.
matilda:
- então estamos regredindo na escala evolucionária.
no dia seguinte a matilda e Charles deen foram para onde estava a multidão, tinha muitas pessoas a matilda não conseguia localizar onde estariam os "filhos da luz", os dois sairam procurando onde estava eles ficavam andando na multidão procurando, pelo menos uma pessoa dos"filhos da luz" até que localizaram.
matilda:
- você concorda com a libertação de Saimon Becker?
todos ficavam dizendo "sim" até que encontrou uma pessoa de cabelos longos e barba preta, que estava usando a camisa.
matilda:
- você é um légitimo filho dele?
a pessoa:
- sim.
Matilda:
- ola, eu sou matilda.
a pessoa:
- eu sou Ben.
Matilda:
- ola Ben.
Ben:
- ola.
Matilda:
- podemos sair daqui para conversarmos direito?
Ben:
- concordo.
todos eles sairam da multidão.
Matilda:
- prescisarmos de uma pessoa que possa discurçar na frente deles.
Ben:
- do que você quer que eu fale?
Matilda:
- de todo mal que ele representa.
Ben:
- isto eu posso ajudar.
Matilda:
- muito obrigada.
Ben:
- ele pode até ser uma pessoa escolhida por deus, mas isto não é desculpa de machucar outra ser humano.
Matilda:
- primeiro eu quero que você me confirme se você é mesmo um dos "filhos da luz".
Ben:
- o que você quer que eu faça?
Matilda:
- mostre qual é o seu poder.
o Ben leventar as mãos de repente as nuvens começam a ficar escuras, e começou a chover.
Matilda:
- impressionante.
Ben:
- obrigado.
Charles deen:
- eu não me apresentei eu sou Charles deen.
Ben:
- qual é o seu poder?
Charles deen:
- o meu poder é de congelar.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15,16

sexta-feira, novembro 29, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:16

Douglas:
- por que eu sou um dos filhos da luz, e ele nos deu a sua benção, e todos nós podemos fazer coisas maravilhoas com ele, até ajuda os outros.
pessoa:
- você não sente raiva dele?
Douglas:
- antes eu odiava ele do que ele tinha feito com a minha mãe, mas quando percebi que eu tinha super-poderes parei de ter raiva dele, e a raiva foi embora quando eu vi que os meus irmãos também tinham poderes.
pessoa:
- qual é o seu poder?
Douglas:
- meu poder é a super-força.
pessoa:
- você acha que só por que só por que você tem poderes o estrupo da sua mãe é justificado.
Douglas:
- como eu falei antes, ela foi escolhida por deus para gerar filhos que são a salvação.
pessoa:
- você realmente acha que ele deveria estar livre.
Douglas:
- eu não acho.
pessoa:
- o que?
Douglas:
- eu tenho certeza que ele devia estar livre.
pessoa:
- para min vocês são aberrações.
Charles deen e matilda estavam vendo pela tv tudo que estava acontecendo quando o douglas estava palestrando.
Charles deen:
- mas este cara não parar de falar bestéira.
Matilda:
- o que você prentende e lar e apanhar de novo.
Charles deen:
- eu não sei.
Matilda:
- o minimo que você deveria fazer é discurça na frente dos que se dizem "filhos da luz" e tenta colocar um pouco de racionalidade nisso tudo.
Charles deen:
- seria uma boa idéia.
matilda:
- a idéia é boa mas não pode ser você.
Charles deen:
- por que não?
Matilda:
- você aje muito sem pensar nas consequências e isto é um problema.
Charles deen:
- eu juro que consigo.
Matilda:
- para falar para eles tem que ser alguém que tenha raiva dele mas pelo menos pense antes de fazer algum ato, só assim teremos uma pessoa para ser o lider.
Charles deen:
- por que você não faz isso?
Matilda:
- porque eu não sou corajosa.
Charles deen:
- do jeito que você falou parecia que você estava querendo fazer tudo.
Matilda:
- um bom lider tem que ter a sima de tudo coragem e intêligencia, eu só tenho intêligencia.
Charles deen:
- eu digo me deixa fazer isso.
Matilda:
- você é corajoso isto admito mas falta inteligência.
charles deen:
- quando vamos procurar a terceira pessoa.
matilda:
- quando se acalmar.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14,15

quinta-feira, novembro 28, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:15

Charles deen:
- e nós também não sormos especiais.
Matilda:
- sim, mas ele é o primeiro.
charles deen:
- tomara que o jugamento acabe e aquele desgraçado continue preso.
Matilda:
- ual o que foi que ele te fez.
Charles deen:
- você também não estar com raiva?
Matilda:
- eu não acho ele uma boa pessoa, e sei que ele estuprou a minha mãe, mas a minha raiva não passa disso.
Charles deen:
- me sinto culpado por tudo.
Matilda:
- como você nem nasceu da época dos estupros.
Charles deen:
- não é isso.
Matilda:
- você pode me esclarecer isso garoto revoltado!
Chales deen:
- é por que eu causei toda esta atenção.
Matilda:
- por que você diz isso.
Charles deen:
- por que eu sem querer fiz os ciêntistas notarem que ele tinha super-poderes.
Matilda:
- você que deu os super poderes a ele?
Charles deen:
- não.
Matilda:
- você disse a ele para estuprar todas as 200 mulheres.
Charles deen:
- não.
Matilda:
- pare de ficar se cupando ele ia conseguir atenção de um jeito ou de outro.
Charles deen:
- por que você acha isso?
Matilda:
- olhe para nós, todo nós termos super poderes, e todos nós iriamos querer de
quem é a fonte deste poder.
Charles deen:
- ainda bem que eu não cheguei nessa duvida.
na multidão onde estava a maioria dos "filhos da luz" tinha palestral pronto o Douglas foi para o microfone.
Douglas:
- ola pessoal.
povo:
- ola.
Douglas:
- você todos estão preseciando um momento histórico, sim meus amigos, vocês sabem que deus estar aqui na terra só aque ele estar preso o que devermos fazer.
povo:
- liberdade.
Douglas:
- isso os outros não tem o direito de trancafiar-lo.
pessoa:
- mas ele é um estrupador.
Douglas:
- ele não é um estrupador mas o ploriferador, e ele estava espalhando os filhos, e eles vão ajudar a humanidade.
pessoa:
- você não sente pena da sua mãe ter sido estrupada?
Douglas:
- ela não foi estruprada mas abençoada.
pessoa:
- como você pode dizer.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13,14

quarta-feira, novembro 27, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:14

Saimon Becker:
- que todos contemplem a minha divindade.
advogado:
- você é louco.
Saimon becker:
- bela maneira de representar um cliente.
Advogado:
- só por que eu estou representando alguém não quer dizer que eu concorde com as idéias.
Saimon Becker:
- eu sou um deus, você devia levar o que eu digo mas a sério.
Advogado:
- você é só um louco que deu sorte!
Saimon Becker:
- quando se estar de ante de deus é mellhor você levar as coisas mas a sério.
Advogado:
- que palhaçada!
Saimon Becker:
- se você fosse um advogado mas compertente nem estariamos aqui.
advogado:
- não tente me culpar pelos seus erros.
Saimon Becker:
- eu fiz uma coisa certa para a humanidade.
Advogado:
- pare de tentar se convencer disso.
Saimon Becker:
- você acha que elas não ficaram felizes de ter filhos de uma divindade.
Advogado:
- aposto que elas não ficaram felizes do modo como você engravidou elas.
Saimon becker:
- todo só ver o ruim.
Advogado:
- nós vermos a verdade.
Saimon Becker:
- vocês não vem ela como um todo.
advogado:
- e você ver?
numa lanchonete perto da prisão o Charles Deen acordou.
Charles deen:
- o que foi que aconteceu?
Matilda:
- o que aconteceu é que eu salvei a sua vida.
Charles Deen:
- você fez com que eu desmaiar-se não é?
Matilda:
- agora você estar sendo esperto.
Charles deen:
- pensava que você só fazia terremotos.
Matilda:
- eu causo tremores, e se causo isso em uma pessoa ela desmaia.
Charles deen:
- parece que sou o mai fraco entre os meus irmãos.
Matilda:
- é.
Charles deen:
- por que você não acaba com aqueles protestos todos.
Matilda:
- por que não sou uma idiota suicida como você.
Charles deen:
- você sabe como estar indo tudo no jugamento.
Matilda:
- todo mundo estar sabendo estar sendo filmado.
Charles deen:
- agora ele vai se achar mais, como o centro das atenção.
Matilda:
- ele é o primeiro com super-poderes, ele ia ser os centro das atenções.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12,13

terça-feira, novembro 26, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:13

syndi:
- ainda não termos total certeza.
Promotora:
- você acha que na base onde vão testar ele, o Saimon vai ficar lá.
Syndi:
- na prisão ele ficou.
Promotora:
- mas a sua base não é muito segura.
Syndi:
- bem é...
Promotora:
- vocês querem arriscar a humanidade soltando ele.
Syndi:
- mas com ele nós podermos salvar a humaninade.
promotora:
- na teoria mas na vida real ele é um grande perigo.
Saimon Becker:
- você devia deixar ela falar.
promotora:
- advogado controle o seu cliente.
Saimon Becker:
- por que você mesmo não vem.
juiz:
- saimon silêncio.
Saimon Becker:
- quem sabe promotora você pode ter um filho meu como as outras.
Juiz:
- Saimon quieto você vai preso por desacarto.
Saimon Becker:
- tente.
Juiz:
- o que você disse.
Saimon Becker:
- para alguém irmortal 10 ou 20 anos não é nada.
advogado:
- pelo amor de deus Saimon se comporte.
Saimon bercker:
- ok.
Advogado:
- você não quer sair daqui?
Saimon Becker:
- para onde eles vão me levar não é exatamente uma liberdade.
Advogado:
- mas é muito melhor do que uma prisão.
Saimon Becker:
- lembrar-se que eu sou de me recuperar.
Advogado:
- sim e?
Saimon Becker:
- para min a prisão não é ruim.
advogado:
- você quer ficar na prisão para sempre.
Saimon Becker:
- aposto que eles nunca testaram prisão perpetua para valer.
Advogado:
- pelo amor de deus me ajude aqui.
Saimon Becker:
- você não entende eu não tenho a sua visão de mundo.
Advogado:
- você é louco.
Saimon Becker:
- na prisão eu sou livre posso fazer o que quiser, e a unica coisa que eles me purnem é ficar um tempinho na solitário, o que para min isso é patético.
Advogado:
- o que você quer?

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11,12

segunda-feira, novembro 25, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:12

Matilda:
- o que quer que eu te trate com carinho como eles.
Charles deen:
- não.
Matilda:
- te trato mal por que eu posso, é direito de irmã.
Charles deen:
- engraçado.
Matilda:
- digo o contrário dessa sua atitude.
Charles deen:
- só disse que eu não quero este como pai.
Matilda:
- pare de ser uma criança mimada que achar que você deve escolher tudo.
charles deen:
- eu vou lar de novo.
Matilda:
- mas não vai não.
a matilda encosta no corpo de Charles faz ele tremer e o Charles caiu no chão inconsciênte.
no tribulas, tinha o juiz um velho careca, um adivogado cabelo arrumado, e curto, e a promotora cabelo logos e loiros e preso.
a no local para depor estava a ciêntista que descobriu primeiro o Saimon.
advogado:
- ola doutora?
ciêntista:
- eu sou Syndi.
advogado:
- Syndi por que mesmo você quer levar o meu cliente para estudos.
Syndi:
- nós poderemos estudar ele melhor no labóratôrio do que na prisão.
advogado:
- me diga a importância disso.
Syndi:
- se a gente neutralizar o que dá poder a ele, podemos expandilos no corpo de outras pessoas, assim a pessoa pode ficar poderosas.
Advogado:
- você estar querendo fazer um exército de "super-homens".
Syndi:
- não um exército.
advogado:
- me esclareçar.
Syndi:
- tendo uma civilização de super-humanos, podemos nos livrar de várias doênças.
Advogado:
- várias doênças ?
Syndi:
- quem sabe finalmente curar o cancêr.
Advogado:
- vocês ouviram senhoras e senhores do juri, deixe ele ir para o labôrátoria fazer os testes assim, qualquer membra da familia, que possa ter câncer pode ser curado.
Syndi:
- assim esperamos.
advogado:
- acabou as perguntas.
o advogado sentou e a promotora foi até ela.
Promotora:
- então você quer libertar um extrupador.
Advogado:
- protesto.
Juiz:
- promotora, não seja imprudente nos comentários.
promotora:
- me desculpe senhor meretisimo.
juiz:
- pode continuar.
Promotora:
- você tem certeza que isso pode trazer a cura ?

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10,11

sexta-feira, novembro 22, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:11

Charles deen:
- devia acabar com ele.
Matilda:
- você estar se esquecendo que não é só ele que você deve enfrentar.
Charles deen:
- estou ciênte disso.
Matilda:
- não você não estar.
Charles deen:
- estou mais ciênte do que eles.
Matilda:
- você foi enfrentar fanáticos que tem super poderes, em que parte dessse negocio todo você ficou consciênte de tudo.
Charles deen:
- quer dizer que estou menos ciênte do que estes loucos.
Matilda:
- pelo que estou vendo sim.
Charles deen:
- não enche.
matilda:
- você devia fazer que nem eu.
vejo umas pessoas que tem a camisa de "filhos da luz" se beijando na boca cada um homem e mulher.
Charles deen:
- todos que tem a camiseta "filhos da luz" são irmão não é?
Matilda:
- sim.
Charles deen:
- aqueles que estão se beijando são irmãos.
apontei para o que tinha a camiseta escrita.
matilda:
- sim.
Charles deen:
- estar falando sério.
Matilda:
- sim.
Charles deen:
- por que eles estão fazendo isso.
Matilda:
- no mundo deles seria uma maneira da nossa raça evoluida crescer.
Charles deen:
- isto é loucura demais.
Matilda:
- por que você acha que eu não estou nessa.
Charles deen:
- qual e o plano deles.
Matilda:
- se o Saimon não for fazer os testes, eles vão destruir tudo e liberta o nosso pai.
Charles deen:
- me recuso a chamar esse cara de meu pai.
Matilda:
- como eu falei você não estar se demonstrando uma pessoa consciênte.
Charles deen:
- não quero um estrupador como pai.
Matilda:
- prefere como deus!
Charles deen:
- não prefiro nada dele.
Matilda:
- pai e mãe a gente só é uma temos que aceitar, eles não são perfeitos.
Charles deen:
- você acha que eu devo aceitar isso?
Matilda:
- meu deus você parece uma criança.
Charles deen:
- por que você fica me maltratando assim.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09,10

quinta-feira, novembro 21, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:10

Matilda:
- você quer encontrar com o lider deles,e com um risco de briga.
Charles Deen:
- idai eu sei me defender.
Matilda:
- você estar se esquecendo que eles também tem super-poderes.
Charles deen:
- não me esqueci disso.
Matilda:
- enfrentar muitas pessoas com super-poderes é suícidio.
Charles deen:
- eu sei.
Matilda:
- é melhor ficar na sua que é melhor.
charles Deen:
- espero ter uma converça racional com ele.
Matilda:
- converça racional com um fanático!
Charles deen:
- ele não vai me matar.
Matilda:
- não contaria com isso.
Charles deen:
- só vou ter uma converça calma.
Matilda:
- como você estar do lado do que estão pensando direito e ser tão burro.
Charles deen:
- eu vou falar com ele.
Matilda:
- não faça isso.
fui até a pessoa que estava gritando auto parecendo der o lider, erá um cara com cabelo ráspado uma camisa branca escrito "filhos da luz" e ele estava vestindo uma calça jeans.
Charles deen:
- você é quem estar fazendo tudo isso?
a pessoa:
- sim.
Charles Deen:
- qual o seu nome?
a pessoa:
- douglas.
Charles Deen:
- eu sou Charles Deen e quero que você pare com isso.
Douglas:
- quem você pensa que é?
Charles Deen:
- um dos seus irmãos.
Douglas:
- então você é um dos "filhos da luz"?
Charles Deen:
- eu sou filho do tal Saimon mas não sou um filho da luz.
Douglas:
- você não ver ele é um deus.
Charles Deen:
- ele é um estrupador desgraçado.
Douglas:
- como você ousar?
o douglas dar um soco de Charles e o Charles é jogado na parede com a Força do soco, a Matilda chega perto do Charles.
Matilda:
- mandou bem!
Charles deen:
- cale a boca.
matilda:
- qual erá o seu plano apanhar até a morte.
o Charles se levanta.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08,09

quarta-feira, novembro 20, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:09

a mulher:
- ola irmão eu sou Matilda.
Charles Deen:
- eu sou Charles Deen.
nos comprimentamos.
Charles Deen:
- você concorda com eles.
Matilda:
- quero ver se você é filho dele mesmo.
ela se afasta o Charles vai atrás dela, ela fica com as duas palmas da mão aberta e apontando para o chão, e isso faz uma onda de choque, isso estava tremendo todo o Local charles caiu no chão.
Charles deen:
- o que?
Matilda:
- prove que você é filho dele.
Charles deen:
- por que eu tenho que provar.
Matilda:
- para eu confiar em você.
Charles encosta a mão no chão enquanto ele estar se levantando faz uma pequena torre de gelo do tamanho dele.
Matilda:
- lembra-se não se sinta especial, todos que se divem filhos da luz tem poderes.
Charles Deen:
- você diz que todos que são filhos dele tem super-poderes.
Matilda:
- exato.
Charles Deen:
- você tem certeza.
Matilda:
- você é o numero 200, e 200 foram o tanto de filhos que ele fez.
Charles Deen:
- por que eles querem liberta ele?
Matilda:
- pelo fato de termos super-poderes os outros ficam tratando ele como um deus.
Charles Deen:
- um homem com um ego grande, e ainda as pessoas chamarem ele de deus.
Matilda:
- ego-centricos não deveriam ter poderes, egocentrigo a pessoa já se acha imagine uma pessoa dessa com poderes só piorar a situação.
Charles deen:
- você sabe uma coisa que ele me disse?
Matilda:
- o que?
Charles deen:
- que ele erá a evolução.
Matilda:
- que convencido.
Chales deen:
- com a ajuda desse povo só vai piorar as coisas.
Matilda:
- concordo.
Charles Deen:
- vou até lá.
Matilda:
- o que você vai fazer?
Charles Deen:
- pedir para eles pararem desse negocio.
Matilda:
- estes são fanáticos, você não vai conseguir parar.
Charles deen:
- vou ter que falar com o lider deles.
Matilda:
- o maluco!
charles deen:
- o que foi?

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07,08

terça-feira, novembro 19, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:08

Charles Deen:
- vendo de quem eu adiquirir prefiro entregar eles para outras pessoas.
Dervelin:
- ual você é muito persimista.
Charles Deen:
- você acha!
Dervelin:
- você deveria olhar o lado bom da vida.
chales Deen:
- para min não existe lado bom nisso.
Dervelin:
- por que, qual é o seu super-poder.
Charles Deen:
- eu tenho o poder de congelar.
Dervelin:
- você deveria ficar feliz, por que não é um poder inútil.
Charles Deen:
- é de quem eu adiquirir este é o problema será que você estar me ouvindo.
Dervelin:
- eu queria ter um poder.
Charles Deen:
- qual?
Dervelin:
- seila, mas tomara que não seja inutíl, se tiver-se algo por ai como uma formula que estregar super-poderes eu tomava ela.
Charles Deen:
- se puder-se te engrava o meu poder.
Dervelin:
- olha cara esquece este problema todo e vai viver.
Charles Deen:
- gostaria que fosse tão fácil.
Dervelin:
- você não entende é fácil.
Charles Deen:
- por que eu deveria escutar você.
Dervelin:
- se divirta com o que tem se não você vai peder.
Charles Deen:
- por que você não desaparece.
Dervelin:
- eu tentei ajudar, eu vou para os meus amigos.
Charles Deen:
- certo.
Dervelin:
- se divita e use a sua habilidade para pegar garotas.
o Dervelin saiu de perto do Charles Deen.
charles deen:
- que cara chato, eu espero que aconteça um acidente com ele.
depois dessa converça irritante, voltei para casa, depois no outro dia eu fui para a prisão, e perto de lá tinha uma multidão, e tinha um cataz escrito"filhos da luz", cheguei perto de uma moça cabelos longos e loiros, com sobre-tudo de frio, por que estava nevando.
Charles Deen:
- o que estar havendo?
a mulher:
- são os filhos do Saimon querendo a liberade dele.
Charles Deen:
- isto é ridículo.
a mulher:
- eles acham que o nosso pai é um deus.
Charles Deen:
- voce disse "nosso"?
a mulher:
- eu sou filha dele.
charles Deen:
- também.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06,07

segunda-feira, novembro 18, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:07

Charles Deen:
- eu sempre queria ir para lá.
Dervelin:
- mas o que foi esta raiva.
Charles Deen:
- é que tem uma chance do meu pai sair da prisão, e pode ser minha culpa.
Dervelin:
- você não estar feliz que seu pai vai sair da cadeia?
charles Deen:
- o negocio que meu pai é um estuprador com complexo de deus.
Dervelin:
- por que este complexo?
Charles Deen:
- é que ele tem super-poderes.
Dervelin:
- e você não acha legal o fato dele ter super-poderes.
Charles deen:
- acharia se ele fosse outra pessoa.
Dervelin:
- mas como você disse que piorou tudo?
Charles Deen:
- é que eu fiz o mundo perceber isso.
Dervelin:
- que mancada.
Charles Deen:
- e você acha que eu sei disso.
Dervelin:
- qual é o poder dele?
Charles Deen:
- o que?
Dervelin:
- qual o poder que ele tem?
Charles Deen:
- o poder dele é de ser imortal.
Dervelin:
- este poder deve ser um saco para provar que é imortal.
Charles deen:
- e foi isso que eu fiz.
Dervelin:
- poderia ser pior.
charles Deen:
- como poderia ser pior?
Dervelin:
- ele poder ter o poder da super-força e sair da cadeia fácil.
Charles Deen:
- tem razão poderia ser pior.
Dervelin:
- como foi que ele conseguiu o poder?
Charles Deen:
- ele nasceu assim, eu acho?
Dervelin:
- ual, nascer com super poderes deve ser o máximo.
Charles Deen:
- pelo que eu acho ele só conseguiu este poder quando erá adolescente.
Dervelin:
- por que você acha isso?
Charles Deen:
- por que aconteceu a mesma coisa comigo.
Dervelin:
- ual que sortudo.
Charles Deen:
- eu não me considero com tanta sorte.
Dervelin:
- você tem uma coisa que todos gostaríamos de ter super-poderes.


olhe as outras partes:01,02,03,04,05,06

sexta-feira, novembro 15, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:06

Mãe:
- você sabe que ele me estrupou por que quiz.
Charles Deen:
- ele disse que não se arrepende e vocês deveriam ser glorificadas, por terem os filhos dele.
Mãe:
- mas quem este desgraçado pensar que é.
Charles Deen:
- DEUS.
mãe:
- só me faltava essa.
Charles Deen:
- eu sei.
mãe:
- é verdade que ele tem poderes.
o Chales faz uma bola de gelo aparecer e crescer na mão dele e joga a bola, ela tinha quebrado na hora.
Mãe:
- mas como...
Chales Deen:
- erá isso que eu queria saber "mas como".
Mãe:
- você descobriu?
Charles Deen:
- o desgraçado tem realmente poderes, e parece que este poderes podem ser passados de pai para filho.
mãe:
- eu não sabia que você tinha estes poderes.
charles Deen:
- eu não sabia até pouco tempo.
mãe:
- foi no dia que você foi ver o seu pai?
Charles Deen:
- não, eu descobrir isso a 6 meses atrás.
mãe:
- isto é uma coisa dele.
Charles deen:
- eu não queria ser em nada parecido com ele.
mãe:
- isto é uma coisa boa não uma maldição.
chales deen:
- mas foi por causa dos poderes dele que você foi estrupada.
Mãe:
- o que você disse?
Charles Deen:
- disse só por que ele teve estes poderes ele achou que erá obrigação dele espalhar o gênes dele pelo mundo.
Mãe:
- que desgraçado.
Charles Deen:
- se você me dar lisença eu vou sair daqui.
estava com muita raiva sair de casa peguei o carro, e fui para um bar mas próximo, fui bebendo várias cerveja.
Charles Deen:
- DROGA.
uma pessoa de cabelos longos e pretos com uma camisa de banda de Rock, se impresionou com a minha raiva.
pessoa:
- o que foi cara?
Charles Deen:
- acho que piorei tudo.
pessoa:
- o que foi?
Charles Deen:
- primeiro eu sou Charles Deen.
pessoa:
- sou Dervelin.
Charles Deen:
- noto que eu sôtaque é diferente.
Dervelin:
- é que eu sou do brasil, estou aqui de férias.

olhe as outras partes:01,02,03,04,05

quinta-feira, novembro 14, 2013

EU SOU A EVOLUÇÃO :parte:05

Charles Deen:
- tenha respeito quando falar delas por que uma delas é a minha mãe.
Saimon Becker:
- a sociedade tratou elas com burri-se.
Charles Deen:
- por que você diz isso?
Saimon Becker:
- por que a sociedade tratou elas como vítimas.
Charles Deen:
- mas são exatamente o que elas são.
Saimon Becker:
- por ter os meus filhos elas deveriam ser glorificadas.
Charles Deen:
- você é louco.
Saimon Becker:
- eu sou louco, elas é que foram loucas de não aceitar o filho de deus.
Charles Deen:
- você não é deus.
Saimon Becker:
- o que você veio fazer aqui colocar os assuntos em dia!
Chales Deen:
- como foi para você sabe que tinha super poderes?
Saimon Becker:
- por que você estar fazendo essa pergunta?
Chales Deen:
- você sabe curiosidade.
Saimon Becker:
- entendi tudo, você também é uma divindade.
Chales Deen:
- eu tenhos os poderes mas eu não sou uma divindade.
Saimon Becker:
- não seja tôlo filho, você tem poderes para os que descerderam dos macacos isto ja é grande coisa.
Charles Deen:
- pare de ficar menosprezando os outros.
Saimon Becker:
- PARAR DE MENOS PREZAR OS OUTROS, VOCÊ ESTAR BRINCANDO NÓS SOMOS A EVOLUÇÃO DOS MACACOS, NÓS NOS TORNAMOS DIVINDADE, EU MENOS PREZO POR QUE POSSO MENOS PREZADO, NA ESCALA EVOLUCIONÁRIA, EU SOU O PRÓXIMO NÍVEL DA ESPÉCIE HUMANA, EU SOU A EVOLUÇÃO.
Charles Deen:
- pare com isso.
Saimon Becker:
- estes normais não podem dizer aos deuse o que fazer, nós é quem dizermos a eles o que fazer.
Charles Deen:
- você não deus e mesmo que se fosse você não tem o direito de tratar os outros mal.
Saimon Becker:
- EU NÃO POSSO, DEUES PODEM FAZER O QUE QUISER.
chales Deen:
- pare de gritar.
Saimon Becker:
- você como eu é um deus, não tente por um segundo parecer que é igual á eles POR QUE VOCÊ NÃO É.
sair da prisão com raiva, dele tentava me acalmar no caminho, mas não conseguia, como deus deu para ele um poder, como ele pode fazer isso, fui até a casa da minha mãe, fui sentei na cadeira.
mãe:
- onde você filho?
Chales Deen:
- para a cadeia.
Mãe:
- não me diga que você foi visitar ele de novo.
Charles Deen:
- sim.
Mãe:
- por que você foi fazer isso?
Charles Deen:
- precisava de algumas respostas.

olhe as outras partes:01,02,03,04