segunda-feira, dezembro 11, 2017

O quadro maldito: parte:07

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos
  - Exato.
   - Cara, é impossível. O Edu fica olhando a pintura do quadro.
   - Vamos ter essa conversa na sala - disse o Edu.
   - Me parece uma boa ideia.
   Nesse momento os dois vãos para a sala.
   - Aqui, eu acho que é um lugar seguro para a gente conversar - Disse o Edu.
   - Meu deus não pode ter sido o quadro.
   - Ok, vamos pensar no que poderia ter sido.
   - Isso é muito parecido com os filmes de terror.
   - Você estar falando, que mais tarde a gente descobre que foi o quadro mesmo.
   - Bem desse tipo.
   - Cara, mas não estamos em um filme.
   - Mas isso não deixa de ser tão estranho quanto.
   - Nesse ponto você tem razão.
   - Mas se foi o quadro, como diabos ele se tornou uma coisa maligna.
   - Será que foram alienígenas?
   - Alienígenas?!
   - Estamos falando de um quadro que estar matando pessoas, é tão ridícula assim em pensar que podem ter sido alienígenas, qualquer coisa pode acontecer ou já ter acontecido com aquele quadro.
   - Neste caso você tem razão.
   - Você já checou o histórico desse quadro?
   - Eu cheguei a perguntar, mas ninguém parece saber o histórico dele.
   - Eu tive uma ideia.
   - Qual seria?
   - Você sabe o homem que morreu, vamos até ele, vemos quem ele é pela identidade dar carteira daí nós verificamos o que aconteceu com ele, assim poderíamos ter uma pista do que estar acontecendo.
   - Ok, vamos verificar o corpo. Os dois vãos para o corredor e se surpreenderam, o corpo daquele homem não estava mais lá, eles ficaram olhando de um lado para o outro e nada.

                                                                 Continua...


Você pode ver a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03, parte 04, parte 05, parte 06

sexta-feira, dezembro 08, 2017

O quadro maldito: parte:06

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos

  - Não fui eu.
   - Então o que foi que aconteceu?
   - Ele invadiu a casa, e depois foi para o corredor...
   - E...
   - "Eu sei o que você fez".
   - Do que você estar falando?
   O Roberto anda e fica de frente para o quadro.
   - Eu sei o que você fez.
   - Está ficando maluco?!
   - Foi o que ele disse “Eu sei o que você fez".
   - Ele falou para você isso?
   - Eu achava que foi.
   - Então para quem poderia ter sido?
   - Eu acho que foi para o quadro.
   - Cara, você esta vendo muitos filmes de terror.
   - Estou falando sério.
   - Eu sei, mas mesmo assim é difícil.
   - Você acha que eu não sei disso?
   - É eu sei.
   - Nem estou acreditando no que eu estou dizendo.
   - Olha isso é só um quadro - Edu aponta para o quadro. - Eu sei, mas...
   O Edu pega o quadro e coloca ele lá fora, eles vão para a sala e ficam conversando por pelo menos duas horas, e quando vão para o corredor levam um susto, o quadro estava no corredor, o local onde estava inicialmente, Edu aponta para o quadro assustado.
   - Cara, cara, cara...
   - Ele fica cutucando o ombro do Roberto.
   - Como foi que, que, que...
   - Isso aconteceu?
   - Exato.
   - Será que alguma outra pessoa invadiu a sua casa?
   - Invade a casa só para colocar o quadro dentro?!
   - Cara, eu só sei que eu deixei essa coisa lá fora.
   - Não acha que foi...
   - Você estar falando do quadro?

                                                                               Continua...


Você pode ver a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03, parte 04, parte 05

quinta-feira, dezembro 07, 2017

O quadro maldito: parte:05

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos

  - Falou.
  - Falou.
  Roberto desliga o telefone, depois olha para o quadro.
  - Você é só um quadro.
  Duas horas depois, ele volta para casa, com duas sacolas cheias de cerveja, já estava colocando elas na geladeira.
  - Você esta aí? - Uma voz que veio no corredor.
  Ele olha para o corredor e não ver ninguém.
  - Deve ser coisa da minha cabeça.
  Continuou colocando as cervejas, uma pessoa de barba preta, um machado invade a casa, usava um chapéu vermelho.
  - Eu sei o que você fez - Disse o homem.
  - Do que... - Disse o Roberto chocado com a situação.
  O homem vai em direção ao corredor.
  - Eu vou chamar a polícia - Disse o Roberto.
  Roberto fica discando os números, escuta o som, de algo caindo no chão, olha para o corredor, e o homem estar morto no chão com o pescoço quebrado.
  - Mas o que?
  Ele vai andando com cautela, em direção a onde o homem estava, viu que o homem morreu bem em frente ao quadro.
  - Você fez isso?
  Ele fica encarando o quadro por um tempo e nada acontece.
  - Meu deus o que estar havendo?
  O Edu entra na casa, ele tem barba por fazer, cabelos cumpridos e pretos, com camisa que tem um desenho, e calça jeans. Entra na casa e fica olhando a porta.
  - Cara, o que foi que aconteceu aqui?
  - Edu o que...
  - Quem quebrou a sua porta?
  Por um momento ele olha para a pessoa morta no chão e imediatamente entra em pânico.
  - Que diabos foram isso? - Ele aponta para o corpo morto.
  - Você não vai acreditar.
  - Cara, você matou ele?

                                                                               Continua...





Você pode ver a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03, parte 04

quarta-feira, dezembro 06, 2017

O quadro maldito: parte:04

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos

  Dez meses se passaram, e uma nova pessoa se interessa em comprar a casa, ele notou o quadro, tinha achado o quadro medonho, mas não se importou em ficar com aquilo na casa, achou que seria uma boa maneira de assustar os convidados.
  Uma coisa que ele adora é ver é filme de terror, por isso uma coisa que sempre o atraiu, era quadros como aquele, teve uma pequena fascinação por aquela pintura não parava de imaginar quem poderia ser o pintor daquilo, mas quando mais ele procurava não encontrava nada sobre ele. Ele é Roberto Tous tem cabelos pretos, sempre usa camisa preta, ficava usando calças marrons. Ficou olhando para o quadro.
  - Quem fez você?
  Ele ficou encarando aquela obra estranha, ficou olhando por um tempo, o telefone toca e leva um susto.
  - Maldito telefone.
  Ele olha de relance para o quadro, ele dar um pequeno sorriso, depois vai em direção ao telefone, relaxou um pouco, atendeu ao telefone.
  - Alô.
  - Ei cara sou eu - Disse a voz no telefone.
  - Fala Edu.
  - Ei cara como vai a nova casa?
  - Estar indo tudo bem, umas mil maravilhas.
  - Cara, quando você vai dar uma festa?
  - Eu não sei cara.
  - Vamos lá, é a primeira vez que você estar morando sozinho.
  - É eu sei disso.
  - Então...
  - O negócio é que a minha mãe e meu pai não estão mais aqui, para limpar a bagunça da festa.
  Enquanto estava conversando, olhou para o quadro, e viu a imagens das partes humanas do quadro se mover, ele leva um grande susto e derruba o telefone no chão.
  - Mas que merda foi essa!-Disse ele olhando para o Quadro.
  Ele olhou o telefone e pegou ele que estava no chão.
  - Cara, o que foi isso? - Disse o Edu.
  - Nada não - Falou o Roberto tentando se acalmar.
  - Você parece que levou um baita susto.
  - Não me diga!
  - Você viu uma barata foi?!
  - É este quadro que veio com a casa.
  - Como um quadro te deu um susto?!
  - Não importa, é melhor vim com a galera hoje.
  - Ok, não se preocupe.

                                                                        Continua...



Você pode ver a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03

terça-feira, dezembro 05, 2017

O quadro maldito: parte:03

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos

- Será que eles descobriram quem foi que fez isso?
- Sabe de uma coisa.
- O quê?
- Vamos comprar essa casa e nos livramos dessa coisa.
- Que boa ideia.
- Deve ter alguém que goste disso.
- Tem razão.
- Eu vou falar para ela que queremos a casa.
Ela saiu do lugar e foi falar com a mulher, tinha falado que iria ficar com a casa, depois da conversa voltou em direção ao marido, mas quando chegou ao lugar viu uma coisa aterrorizante, o Felipe Charles no chão com o pescoço quebrado, a esposa só teve uma reação que foi gritar, por causa do medo que sentia naquele momento, se encostou na parede, vira para o quadro assustada e encara ele.


Você pode ver a parte anterior: parte 01, parte 02

segunda-feira, dezembro 04, 2017

O quadro maldito: parte:02

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos

- Quem diabos fez você? - Disse o Felipe olhando para o quadro. Por um segundo, ele estava conseguindo ver partes dos corpos que estava no quadro, se mexendo, isto fez com que tomar-se um susto, se inclinou para trás instantaneamente, deu alguns passos para trás, uma das reações dele foi colocar a mão na boca, de tão chocado que ele ficou, mas depois um pensamento veio na cabeça, e se o quadro tem algum tipo de tecnologia, que faz com que pareça que alguma parte da pintura se moveu, ele não acredita em nada que seja sobrenatural, apesar de não acreditar, foi hesitante em direção do tal objeto misterioso.
Estava vendo a tal obra, se perguntando se aquilo era mesmo comum, ou se ele tinha alguma coisa á mais para fazer um efeito nele, mas quando chegou perto, conseguiu ver as partes do corpo se movendo, isto fez com que tomar-se um susto que fez com que cair-se no chão, tentou ficar calmo.
- Que susto você me deu, seu quadro maldito!
Ele dar uma risada, depois se levanta, a mulher dele aparece correndo no quarto, indo em direção á ele.
- Você estar bem? - Disse ela olhando para ele.
- Sim, estou, é que as figuras desse quadro se mexeram.
Ela olha para onde o marido falou e fica confusa.
- Este quadro parece ser normal para min.
- Deve ter algum tipo de mecanismo ou algo do tipo, que faz com que pareça que as imagens da pintura se movimentem.
A Armanda ficou olhando mais de perto.
- Não estou vendo nada se mexer - disse ela.
- Eu acho que você deve ficar encarando , por um bom tempo.
Ela fica um tempinho encarando ele e nada.
- Tem certeza que se moveu - Ela olhou para o Felipe.
Ela voltou a encarar a tal pintura, e as partes do corpo começaram a se mover.
- Estou vendo ele se mexer.
Ele chegou perto dela, colocando a mão no ombro da esposa.
- Me diga o que ela sabe sobre este quadro? - Disse ele.
- Ela disse que os donos da casa já compraram essa casa com o quadro dentro.

                                                      Continua...

Você pode ver a parte anterior: parte 01

sexta-feira, dezembro 01, 2017

O quadro maldito: parte:01

Fonte da imagem: Fatos Desconhecidos


  Felipe Charles estava querendo comprar uma nova casa, ele estava com a sua esposa Armanda, uma mulher de cabelos longos e loiros, nesse momento estava com um grande sorriso, porque estava adorando todos os objetos que tinha nela, a casa tinha sofá e tudo, Felipe estava gostando de tudo que conseguia ver, ficava achando tudo uma maravilha, até ele ver um quadro, que nela tinha uma imagem de partes de pessoas cortadas, quando viu esse quadro imediatamente se assustou, era de um horror que não conseguia dizer uma palavra.
  - Querida, olhe isso - Disse o Felipe apontando para o quadro assustado.
  Ela estava olhando para tudo de olhos cheios, porque estava feliz com tudo que estava vendo, foi na direção do marido, dando um beijo na boca dele.
  - O que foi querido? - Disse a Armanda.
  - É esse quadro - Disse ele.
  Ela ficou olhando para o quadro, e fica espantada.
  - Meu deus que quadro horrível - ela falou isso colocando a mão na boca.
  - Eu sei é muito horrível.
  - Deve ser uma nova forma de arte.
  - Pode até ser.
  Ele ficou olhando para o quadro, tentou ver alguma coisa que goste, para não dizer que acha essa pintura simplesmente horrível.
  - Pode até ser, mas eu não gosto.
  A mulher dar uma olhada na obra assustadora, para ver se conseguiria ver a assinatura de quem tinha feito isso, essa arte abominável.
  - Engraçado - disse ela.
  - O quê?
  - Não tem assinatura.
  - Bem, deve ser dos donos dessa casa.
  - Eu vou perguntar.
  - Ok, eu vou ficar olhando isso. A ela foi procurar a mulher da imobiliária, estava querendo tirar algumas dúvidas que tem sobre aquele quadro que fica mostrando partes humanas, ela tinha que tirar essa dúvida da cabeça porque sabe que se não tirar essa vai ficar na cabeça dela, por um bom tempo.    Armanda estava saindo do local.

                                                                  Continua....

quinta-feira, novembro 30, 2017

O violeiro e o caçador de caçadores: parte : Final

Fonte da imagem: Devorador do Pecado - blogger

  Curioso sobre a pessoa, tocou tocos dos fios do violão permitindo ter uma visão de raio x, conseguindo ver que o coração dele não batia, chegou a conclusão rapidamente que ele era um vampiro.
  - Moça? - disse o violeiro.
  - Sim - disse a mulher.
  - Vá para o seu carro correndo.
  - Por quê?
  - Vá.
  A mulher foi em direção ao carro, ligou o carro e saiu de lar o mais rápido possível, a pessoa deu uma risada.
  - Não se preocupe eu não estou atrás dela - disse a pessoa.
  - O que você quer comigo?
  - Pensei que você sabendo que eu sou o meu objetivo já estava claro.
  - Me matar.
  - Meu objetivo de vida é matar todos os caçadores de vampiros que eu encontrar.
  - Quantos você já matou até agora?
  - Uns vinte e nove caçadores de vampiros.
  - A sua contagem vai parar aí.
  O violeiro toca a segunda corda do violão, fazendo uma onda de choque afastando a pessoa, depois o violeiro tocou a primeira corda, quando a corda estava indo em direção do caçador de caçadores, com uma espada, cortou a corda, continuou indo na direção dele.
  Ele bate o violão no chão causando um pequeno tremor que fez com que o vampiro, se desequilibrar-se e cair-se no chão, então tocou a primeira corda no chão, mas o tal vampiro se levantou de novo, cortou a corda de novo, então o violeiro começou a correr.
  Enquanto corria ficava segurando a segunda corda com o dedo, quando o vampiro chegou perto, soltou a corda, fez com que vampiro, voar-se longe com o barulho sonoro, do violão, então rapidamente, tocou a primeira corda do violão, a corda foi no pescoço, do caçador de caçadores, então tocou a corda de novo, fazendo com que cortar-se a cabeça do vampiro.
  Parou um pouco para respirar, então olhou em volta que não tinha, mas nenhum vampiro, então foi em direção do carro dele, para a próxima caça e a próxima aventura.

                                                         Fim

Veja a parte anterior: parte 01

quarta-feira, novembro 29, 2017

O violeiro e o caçador de caçadores: parte 01

Fonte da imagem: Devorador do Pecado - blogger

  Uma mulher estava saindo do bar, estava indo em direção para um carro, então de repente um homem fica em frente dela.
  - Eu posso passar? - Disse a mulher.
  - Me deixa pensar - disse o homem.
  Mais homens chegam perto, os dentes deles mudam demonstrando ter duas presas, mostrando que eles eram vampiros, isso a deixou apavorada, tentou correr mais eles ficavam na frente dela.
  Dos nada eles escutam alguém tocando um violão, os vampiros olham para o violeiro.
  - Ok, mais alimentos para nós.
  Quando os vampiros tentaram se aproximar dele, o violeiro tocou a primeira corda do violão, a corda foi enrolando nos pescoços de todos os vampiros e também estava amarrando as pernas e braços deles.
  - Você - disso o violeiro para a mulher.
  - Sim - disse a mulher.
  - Algum deles te atacou?
  - Não nenhum deles me atacou me diga o que eles são?
  - Vampiros.
  - Vampiros?!
  - Precisamente.
  - Você é um caçador de vampiros?
  Ele toca a primeira corda mais uma vez, todos os vampiros foram decapitados, todos foram transformados em cinzas.
  - Na verdade eu sou um violeiro, que tem como um hobby matar vampiros.
  - Obrigada por me salvar.
  - Não precisa agradecer.
  - O seu violão é a sua arma?
  - Sim.
  - Por que não uma estaca de madeira ou uma cruz ou coisa do tipo?
  - Porque as estacas de madeira só funcionam se você pegar eles de surpresa uma coisa que é muito difícil, cruzes não funcionam em nada com eles, então nem pensar água benta, você só vai conseguir molhar eles e nada mais.
  - Alho funciona alguma coisa?
  - Não.
  - Me diga você acha que lobisomens e bruxas existem?
  - Esses dois existem, uma bruxa me ajudou esse violão para matar eles.
  - Tem algum conselho que você poderia me dar.
  - Com relação a vampiros só tenho uma coisa para te avisar, nunca convide ninguém para entrar na casa, no máximo faça algum gesto, convidativo, mas nada de mais.
  Uma pessoa de, sobretudo preto estava com duas espadas, com cabelos grandes e pretos, também tinha uma barba.
  - Então você é um violeiro caçador de vampiros? - disse a Pessoa.

                                                              Continua...

terça-feira, novembro 28, 2017

Lokan contra Felaton : parte: Final

.
Fonte da imagem: Kotaku Australia


  - Os outros podem ter te maltratado mal, mas a gente nunca vai fazer isso - disse a Ella.
  - Nunca vou me esquecer disso - disse o Lokan.
  A cidade os recompensou por terem destruído aquela parede, dando para eles peças de ouro, ficaram na cidade se divertindo, bebendo vinho e cerveja, depois de cinco dias eles voltaram para o vilarejo, aguardando a próxima aventura de Lokan e seus amigos.

                                                                        Fim

Veja a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03

segunda-feira, novembro 27, 2017

Lokan contra Felaton : parte: 03

.
Fonte da imagem: Kotaku Australia

  Jogando as armas na parede estava conseguindo quebrar ela, mas estava sendo fácil, ele conseguia quebrar os soldados de pedras fáceis, o problema é que eram muito deles, todos estavam indos na direção dele.
  Então do nada, uma flecha acertou um dos soldados de pedra, então ele olha para trás e ver Elden e Ella.
  - Eu disse para ficarem fora dessa - disse o Lokan.
  - É, mas eu não conseguir resistir ao chamado da aventura - disse o Elden.
  - Eu vou rezar para os deuses para dar forças para vocês - disse a Ella.
  - Obrigado, eu tenho um plano, eu pego as armas deles, depois jogo na parede destruindo ela de pouco em pouco - disse o Lokan.
  - Você acha que vai conseguir isso? - Disse o Elden.
  - Temos que tentar.
  Com a energia favorecida por Ella, Lokan e Elden ficavam destruindo os soldados de pedra, depois pegando as armas deles, depois ficava perto da parede e Lokan jogava as armas conseguindo quebrar a parede.
  Ficaram fazendo isso repetidamente, até que conseguiu destruir a parede por completo, depois de tudo isso eles sentaram no chão para descansar.
  - Minha nossa como isso foi difícil - disse o Elden.
  - Obrigado por me ajudarem - disse Lokan.
  - De nada.
  - Não ache que pode lidar com os problemas sozinhos, você sempre pode contar com a nossa ajuda, eu sei que antes você agia sozinho, mas lembra-se você não está mais sozinho - disse a Ella.
  - Eu devia ter contado com a ajuda de vocês desde o início, ainda é difícil viver ao lado de outras pessoas, ainda por cima vocês são elfos completos, eles são os que mais me maltratam, por que me considerava uma maldição.

                                                                     Continua...

Veja a parte anterior: parte 01, parte 02

sexta-feira, novembro 24, 2017

Lokan contra Felaton : parte: 02

.
Fonte da imagem: Kotaku Australia

  Lokan volta para o vilarejo e encontra com o Elden e Ella.
  - Então eu vou destruir essa parede - disse o Lokan.
  - Não quer que eu vá nessa aventura? - Disse Elden.
  - Não desta vez eu vou sozinho, caso eu me transforme em um desses soldados de pedra, você pode atacar depois, só que com mais cuidado do que eu tomei.
  - Está bem, tome cuidado e não vire pedra.
  - Não se preocupe eu vou tentar.
  Lokan pegou o cavalo e foi na direção da cidade da pessoa, lá conseguiu mais informações de onde estaria a tal parede, então ele foi de encontro a tal parede.
  No caminho ele encontrava com alguns soldados de pedra, ficava cortando eles, por sorte ele era muito ágil, ficava destruindo os soldados fácil.
  Então estava conseguindo ver a tal parede, viu uma pessoa com uma marreta indo em direção da parede, mas na parede tinha cristais azuis neles saiam os raios que transformavam as pessoas em pedra.
  Notou que não tinha como chegar perto da parede sem se transforma em pedra, enquanto isso a pessoa com a marreta se transformou em um soldado de pedra e foi na direção de dele.
  Quando chegou perto, ele cortou o soldado ao meio, depois ficou olhando a parede e teve uma ideia, pegou a marreta e jogou a marreta na parede, então foi possível quebrar uma parte dela.
  Notou que com a força dele, pode fica destruindo a parede numa distancia segura, então subiu em cima do cavalo e foi em direção dos soldados de pedras os que ele havia derrotado antes, pegando as armas deles.

                                                         Continua..

Veja a parte anterior: parte 01

quinta-feira, novembro 23, 2017

Lokan contra Felaton : parte: 01

.
Fonte da imagem: Kotaku Australia


  Lokan ainda morava no vilarejo, Junto com Elden e Ella, eles naquele momento estavam vivendo em paz, até que escutam um barulho de alguém correndo.
  Ouvindo os paços Lokan foi à direção de quem estava correndo, quando chegou perto viu que era uma pessoa normal, depois viu uma pessoa feito de pedra com uma espada.
  Concluindo rapidamente qual era o problema, pegou a espada e foi na direção da pessoa de pedra, deu um golpe cortando a pessoa de pedra ao meio, depois de ver isso a pessoa parou.
  - Você conseguiu cortar ele com um golpe só - Disse a pessoa.
  - Sim - disse o Lokan.
  - Você é um elfo?
  - Sou na verdade metade elfo e metade orc.
  - Me desculpe eu não agradeci, obrigado por me salvar.
  - Á mais como ele?
  - Infelizmente muito mais.
  - Eles estão aqui por perto.
  - Eu não sei, pelo o que eu vi só esse estava me seguindo.
  - O que são essas criaturas?
  - Um feiticeiro chamado Felaton, estava fazendo mal a minha cidade, então fomos atrás dele e conseguirmos mata-lo, mas antes de morrer ele fez um feitiço, fazendo uma parede, todos que se aproximam dessa parede se transformam em um soldado de pedra, quando transformado em pedra, eles se movimentam e tentam matar todos os seres vivos por perto.
  - Basicamente sendo um problema para todo mundo.
  - Exato.
  - Então não se preocupe eu vou destruir essa parede.
  - Me desculpe, mas quem é você.
  - Eu sou Lokan.

                                                                 Continua...



quarta-feira, novembro 22, 2017

Espelho, espelho da parede : parte: Final

Fonte da imagem: Portal Angels

  - Ok, eu vou tentar - Disse para ela.                                                                                                
  - Por favor, consiga.                                                                                                                           
  - Você pode me mandar de volta?                                                                                                        
  - Sim, boa sorte.                                                                                                                                   
  - Espero.                                                                                                                                        
  Volto no local do acidente, só que eu estava fora do carro, à primeira coisa que fiz foi pegar um táxi, para ir ao meu apartamento, a viagem estava indo tranquilo, até que finalmente chegamos, paguei o taxista.                                                                                                                                    
  - Isto vai acabar de uma vez por todas - falei isso fora do carro encarando o meu apartamento - Vou te destruir seu espelho filho da pulta.                                                                                          
  Entrei no prédio entrei no elevador, só que lá tinha um espelho e o meu reflexo estava me encarando, só que só percebe isso tarde demais, voltei quando as portas já estavam fechadas, tinha apertado o botão.                                                                                                                                  
  - O que você está fazendo? - Disse o espelho.                                                                                     
  - O que eu devia ter feito a muito tempo.                                                                                              
  - Pense quantos criminosos poderíamos prender, isso pode te ajudar na sua carreira                         
  - Neste momento só um me interessa prender um criminoso, ele induziu outras pessoas a matarem por ele, sei que no Brasil não tem sentença de morte, mas no caso dele, essa é uma pena apropriada. - Você nunca vai conseguir.                                                                                                                 
  - Fico feliz em saber que realmente tem uma chance disso.                                                                
  - Por que você acha isso?                                                                                                                     
  - Porque você está com medo.                                                                                                               
  - Eu vou te matar.                                                                                                                                 
   - Me desculpe, mas você já teve a sua chance e você falhou.                                                   
  Aporta do elevador abriu, entrei na minha casa, peguei o martelo, fui no espelho e sem pensar duas vezes quebrei ele, fiquei batendo na moldura de madeira, depois fiquei queimando a madeira no lixo.                                                                                                                                      
  Finalmente tudo acabou. Anos se passaram conheci uma lida mulher, e no casamos e tivemos uma linda filha, colocamos o nome dela de Helza, achei apropriado porque ela tinha me ajudado, e todos nós vivemos felizes para sempre.

                                                                Fim.

Veja a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03, parte 04, parte 05, parte 06, parte 07, parte 08, parte 09

terça-feira, novembro 21, 2017

Espelho, espelho da parede : parte: 09

Fonte da imagem: Portal Angels

  Entrei no carro, comecei a andar em alta velocidade, a vontade de quebrá-lo era mais alta possível, tinha que fazer isso rápido, se não corro o risco de matar alguém por acidente, aquilo de me controlar para matar o meu chefe foi pura sorte.                                                                              
Na estrada ainda estava tomando meus devidos cuidados, para não me envolver em um acidente, não queria dar nenhuma chance para o espelho para me matar, sei que qualquer descuido meu pode ser fatal.                                                                                                                             
Infelizmente cometei um erro, olhei para o retrovisor, e nele mostrava que não tinha nenhum carro, mas o espelho mentiu, justamente aparece um carro, e eu bato nele como eu estava em alta velocidade, acabei capotando.                                                                                                          
  Por um momento fiquei inconsciente, mas quando acordei estava de novo na floresta, isso por um momento ficou muito confuso, pensei, mas como isso pode ser, mas de repente me lembrei da rainha má e tudo ficou claro.                                                                                                  
  Levantei-me fiquei olhando de um lado para o outro, procurando ela, não estava encontrando até que finalmente vi, fui à direção dela.                                                                                                    
  - Obrigado - Não sei se isso me salvou do acidente, mas na dúvida é melhor agradecer mesmo assim
  - Você tem alguma coisa a dizer.                                                                                                         
  - Só tome cuidado, pelo caminho que você vai.                                                                                         - Posso lhe fazer uma pergunta?                                                                                                           
  - Sim.                                                                                                                                                     
  - Qual é o seu nome verdadeiro?Para não ficar só te chamando de rainha má.                                    
 - Eu mereço este nome, pelo que fiz.                                                                                                          
  - Sei que o espelho, fez que você tentar-se matar a própria filha, mas mesmo assim eu gostaria de saber o seu nome.                                                                                                                                        
  - Meu nome é Helza.                                                                                                                             
  - Helza?                                                                                                                                                         
 - Sim.                                                                                                                                                             
 - Muito prazer te conhecer Helza.                                                                                                            
  - Tenho alguma coisa para dizer.                                                                                                                   
 - O quê?                                                                                                                                                     
  - Por favor, destrua este espelho.                                                                                                               
  - Eu vou fazer o meu melhor.                                                                                                                      
  - Se você não fizer poder acabar te matando.                                                                                         
  - Me diga você também avisou isso para as outras pessoas?                                                                       
  - Sim, avisei para eles.                                                                                                                                            - Prometo que vou sair melhor do que elas.                                                                                                
  - Só para não fazer nenhuma besteira, como se destrói este espelho?                                                 
  Pode parecer uma pergunta estúpida, mas estamos falando de um espelho mágico talvez para destruir é preciso fazer algum tipo de ritual, que não conhecia, neste momento não podia arriscar.         
  - Simples você quebra o espelho e também queimar a moldura - Disse ela.                                             
  - Simples assim.                                                                                                                                        
  - Sim, como você queria que fosse?                                                                                                      
  Por todos os problemas que ele está me dando, essa possibilidade em manipulação e se mover de espelho para espelho, pensava que seria muito mais complicado que isso, mas se ela está dizendo isso.                                                                                                                                                                      
                                                                              Continua....

Veja a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03, parte 04, parte 05, parte 06, parte 07, parte 08

segunda-feira, novembro 20, 2017

Espelho, espelho da parede : parte: 08

Fonte da imagem: Portal Angels

  - Do que você está falando?                                                                                                                        - Ela não era madrasta da Branca.                                                                                                                
  - Então o que...                                                                                                                                           Um pensamento assustador me veio na cabeça, admito quando soube do espelho, pesquisei melhor sobre essa história sobre o que a primeira versão contava.                                                                         - Seu maldito! - Gritei para o espelho.                                                                                                      - Você sabe da verdade.                                                                                                                        
  - Você é um monstro.                                                                                                                    
  - Não, os meus donos são.                                                                                                            
  - Você fez com ela tentar-se, matar a própria filha.                                                                                   Nas primeiras histórias a tal rainha má nunca foi madrasta da branca de neve, ela era mãe dela, dizem só mudaram a relação das duas, para vender melhor a história.                                                        - Espelho, por que você fez isso?                                                                                            
  - Eu acho que você está esquecendo algo.                                                                                     
 - É do que eu estou me esquecendo.                                                                                                            
  - Eu não forcei você, a fazer essas perguntas, você fez por conta própria, está lembrando ou não.                
  - Sim, eu me lembro.                                                                                                                                
  Os momentos que acontecem depois das perguntas é inteiramente sua responsabilidade, e não minha.                                                                                                                                                          
   - E por que você não é culpado de nada.                                                                                               
   Nesse momento, uma pessoa entrou na banheira, começou a fazer xixi no nictório, estava guardando a minha raiva, para não parecer que nem um maluco para ele, a pessoa fez as necessidades e depois saiu.                                                                                                                            
  - De novo porque você acha que você se ausenta de culpa.                                                                   
  - Você conhece a história do sapo e o escorpião.                                                                                           
  – Conheço.                                                                                                                                                  
  - O que o escorpião disse para o sapo no final.                                                                                            
  - Algo como “você sábia quem eu era desde o inicio”.                                                                               
  - Por quê?                                                                                                                                                     
  - Acabei de explicar.                                                                                                                                     
  - Não, porque você destrói a vida dos seus donos.                                                                                
  - Só por um motivo.                                                                                                                                                 - Qual seria?                                                                                                                                                   
 - Porque é divertido.                                                                                                                                     
 - Você é um bastardo.                                                                                                                                
 - Eu vou destruir a sua vida como fiz com os outros.                                                                                  
  - Eu vou te destruir.                                                                                                                                       
  - Quero ver você tentar.                                                                                                                                 
  - Vou indo.                                                                                                                                                     
  - É inútil.                                                                                                                                            
  Comecei saindo da delegacia de policia, tentava fazer o máximo para não olhar para nenhum espelho, de vez em quando ficava tentado a olhar, desviava o olha no ultimo segundo, tenho que dizer que eu mereço o que está acontecendo comigo agora, sábia que aquele era um espelho do mal e eu o subestimei.                                         

                                                                   Continua...                                                                                          
Veja a parte anterior: parte 01, parte 02, parte 03, parte 04, parte 05, parte 06, parte 07